Ministro vistoria obras do Projeto de Integração do Rio São Francisco

A construção das primeiras estações elevatórias nos dois eixos também foi inspecionada

Jati-CE, 07 e 08/08/2014 – Em visita técnica, o ministro da Integração Nacional, Francisco Teixeira, vistorou vários trechos das obras do Projeto de Integração do Rio São Francisco, nos Estados da Paraíba, Pernambuco e Ceará.

“A obra hoje está sendo trabalhada de forma acelerada”, disse Teixeira. De acordo com dados de junho do Ministério da Integração Nacional, 61% da obra estão concluídos.

A visita foi acompanhada pelo secretário do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), Maurício Muniz, o secretário-executivo do Ministério da Integração Nacional, Irani Ramos, e o secretário de Infraestrutura Hídrica da pasta, Robson Botelho.

A comitiva também vistoriou a construção das primeiras estações elevatórias nos dois eixos do projeto (Norte e Leste). Essas estações vão bombear as águas que abastecerão os reservatórios ao longo dos 477 quilômetros de canais da obra. Foram também inspecionadas a Barragem Jati, no Ceará, e o túnel Cuncas I, de 15 quilômetros, em São José de Piranhas, na Paraíba.

Fotos: Adalberto Marques/Ascom MI

 

 

Máquinas gigantes da Fiat em fase final de testes

Consideradas o coração da montadora em Goiana, prensas serão o início do processo de fabricação de automóveis

Bases das máquinas, a 12 metros de profundidade, foram preparadas antes da fábrica tomar forma / Divulgação

Bases das máquinas, a 12 metros de profundidade, foram preparadas antes da fábrica tomar forma

As prensas, as duas máquinas gigantes da Fiat Chrysler em Goiana, estão na fase de conclusão de testes. É o fim da implantação da primeira e mais importante etapa da fabricação do polo automotivo de Pernambuco, seu coração. Para se ter uma ideia, a base das prensas, a 12 metros de profundidade, foram escavadas antes mesmo que o conjunto de prédios em volta delas tomasse forma. Nessas máquinas nascerá cada um dos até 250 mil veículos por ano que sairão de Goiana.

As máquinas vieram do Japão e desembarcaram pelo Porto de Suape em setembro passado. Foram para Goiana em pequenas partes, em centenas de viagens de caminhões. Nas prensas começará a fabricação de cada Jeep Renegade, oficialmente ano que vem, o primeiro de três modelos da linha de montagem de Goiana.

Segundo a Fiat, no processo de testes as máquinas são ligadas ao mesmo tempo e de forma alternada, para verificação do funcionamento correto de cada operação, incluindo o desempenho técnico das máquinas, tempo de execução das tarefas e segurança da operação.

O trabalho dessas máquinas é complexo. Pelos dados originais do projeto, cada prensa tem capacidade para transformar as chapas de aço, que chegarão como grandes bobinas, em 960 peças por hora – portas e capôs, além da carrocerias. As prensas, com 70 metros de comprimento, estão no prédio mais próximo da BR-101, uma estrutura de 42 mil metros quadrados.

Todo o polo está com 85% de execução das obras. Quando a produção estiver ativa, o segundo prédio na fabricação de veículos será a funilaria, onde a carroceria receberá autopartes metálicas. Dali elas vão para uma primeira parada no “cérebro” da fábrica, o communication center, prédio central que serve de “hub” (conexão) entre diferentes oficinas e faz controle de qualidade e metrologia, por exemplo. De lá as carrocerias vão para a pintura e em seguida para a montagem final, onde recebem peças mecânicas, vidros e plásticos.

Por fim os carros voltarão ao communication center, para a última inspeção, antes de seguirem para a pista de testes e serem liberados.

O polo automotivo tem obras com 85% de execução. A previsão é que os fornecedores da Fiat Chrysler instalados no mesmo terreno da montadora em Goiana, os chamados sistemistas, comecem a implantar suas máquinas e equipamentos no terceiro trimestre deste ano – ou seja, até setembro. Será a fase final do polo automotivo.

Segundo a companhia, o “carro zero” da fábrica de Goiana sairá da linha de produção no primeiro trimestre do ano que vem, quando a fabricação de veículos aumentará até atingir uma escala comercial.

Cada mínimo espaço no terreno de 14 milhões de metros quadrados em Goiana foi pensado à exaustão, para facilitar as milhares de entregas diárias das 16 linhas de produção dos sistemistas no prédio da Fiat Chrysler, tudo em tempo real – a exemplo de tapetes e forros de teto da Adler, pneus e rodas da Pirelli e vidros da Saint-Gobain.

O investimento total no polo chega a R$ 7 bilhões.

De acordo com a Fiat Chrysler, este ano serão gerados 850 empregos, no que ela batizou de “campanha de atração e retenção de talentos”. Atualmente são cerca de 600 funcionários. “O foco das contratações está na mão de obra local. Até 2015, o total de contratados subirá para 2.800 pessoas e, até o polo atingir 100% de produção, serão entre 3.500 e 4 mil funcionários da Fiat Chrysler e aproximadamente 8 mil pessoas em todo o polo automotivo, incluindo o parque de fornecedores”, informa a empresa.

Presidenta Dilma vai vistoriar Via Mangue. 77% dos investimentos são do Governo Federal

A assessoria da Presidência da República confirmou a visita da presidente Dilma Rousseff ao Recife na próxima terça-feira, dia 3 de junho. O objetivo da viagem é vistoriar as obras da Via Mangue. Esta é a terceira  vez que desembarca em solo pernambucano nos últimos três meses.

No início de maio, a presidente viajou a Cabrobó, no Sertão do São Francisco, para vistoriar as estação de bombeamento do projeto de Transposição do Rio São Francisco. Em abril, ela participou da inauguração da primeira etapa da Adutora do Pajeú, assinou a ordem de serviço para construção da segunda etapa e lançou edital para construção do Ramal do Agreste.

Trecho das obras da Via Mangue. Foto: Rodrigo Lobo/Acervo JC Imagem

A proposta da Via Mangue é ser um corredor viário expresso, sem semáforos ou interferências. A pista oeste (do lado do mangue) terá duas faixas, enquanto a pista leste contará com três – duas de tráfego e uma para aceleração e desaceleração dos veículos que entrarem na via pelos 13 acessos previstos inicialmente. A obra custou, até agora, R$ 433 milhões.

Via Mangue começou a ser construída em abril de 2011, na gestão do prefeito João da Costa (PT). E 77% dos investimentos são do governo federal.

Antes de vir ao Recife, Dilma fará uma parada em Caruaru para inaugurar o Hospital Regional Mestre Vitalino. A unidade de saúde estava prevista para ser entregue à população nos últimos dias da gestão de Eduardo Campos, mas não ficou pronta a tempo.

Transposição já tem 9 mil trabalhadores

André Clemente – Diario de Pernambuco
O projeto está orçado em R$ 8,2 bilhões e tem previsão funcionar completamente em dezembro de 2015. Foto: Annaclarice Almeida/DP/D.A Press
O projeto está orçado em R$ 8,2 bilhões e tem previsão funcionar completamente em dezembro de 2015. Foto: Annaclarice Almeida/DP/D.A Press

O plano de chegar aos mais de 10 mil trabalhadores na obra da Transposição do Rio São Francisco até junho deste ano está próximo. Depois de ter a obra novamente em atividade forte, o ministério da integração nacioanl anuncia que são mais de 9 mil trabalhadores no projeto, sendo mil contratados neste ano.

O empreendimento tem 477 quilômetros de canais de concreto, formando os Eixos Norte e Leste e outras estruturas para conduzir a água no semiárido nordestino. A construção contém dois canais com nove estações de bombeamento, 27 reservatórios, 14 aquedutos e quatro túneis. Somente neste ano, mais de mil pessoas foram integradas à Transposição.

No total, o empreendimento vai levar água a uma população estimada em 12 milhões de pessoas, em 390 municípios nos Estados de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. “Todo o nosso esforço é para concluir a obra em 2015”, afirma o ministro da Integração Nacional, Francisco Teixeira, que acompanha a execução das obras em visitas periódicas aos canteiros.

O projeto é orçado em R$ 8,2 bilhões e é previsto para funcionar 100% em dezembro de 2015. No próximo mês de abril, a primeira etapa promete ser entregue. Serão 16 quilômetros (Meta 1L), do Eixo Leste, que serão utilizados para testar todos os equipamentos da operação.

Vendas da distribuição de aços planos registram alta de 11% em dezembro

Vendas da distribuição de aços planos registram alta de 11% em dezembro

De acordo com levantamento do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Produtos Siderúrgicos (Sindisider), as vendas de aços planos do último mês de 2013 apresentaram saldo positivo, com elevação de 11%, se comparado a dezembro de 2012. Porém, houve queda de 11,4% em dezembro, com relação a novembro, totalizando o volume de 346,9 mil toneladas contra 391,7 mil toneladas. No acumulado do ano, o crescimento é de 4,3% (4.543,6 mil toneladas) se comparado a janeiro a dezembro do ano anterior. Os dados são apurados junto aos distribuidores associados ao Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço (Inda).

O número de compras realizadas em dezembro apresentou redução de 7% em relação ao mês anterior, computando 325,2 mil toneladas ante 349,8 mil toneladas. Frente a dezembro de 2012 (323,1 mil toneladas), o desempenho do setor teve alta de 0,6%. No acumulado do ano, as compras somaram 4.650,7 mil toneladas, representando aumento de 8,2% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Importações e Estoques 

A importação de aço plano comum pelo mercado brasileiro, de acordo com o Sindisider, fechou dezembro com queda de 19,4% em relação ao mês anterior, totalizando 82,7 mil toneladas. Quando comparada a dezembro de 2012, com 79,1 mil toneladas, houve um acréscimo de 4,6%. Já, no acumulado do ano, as importações tiveram redução de 1,7%, com 1617,2 mil toneladas contra 1.645,6 mil toneladas de igual período de 2012.

Os estoques de dezembro tiveram recuo de 2% em relação a novembro, atingindo o volume de 1.051,2 mil toneladas. Sobre dezembro do ano anterior (944,1 mil toneladas), os estoques registraram elevação de 11,3%. O giro dos estoques subiu para três meses.

Projeções

De acordo com projeções do Inda para janeiro, as compras e as vendas devem apresentar alta de 10% e 15%, respectivamente.

Para 2014, a expectativa é de que as vendas da distribuição de aços planos registrem crescimento em torno de 4%.

Fonte: Redação TN/ Ascom Sindisider

Fiat receberá aditivo do BNDES

Empréstimo de R$ 840 milhões se soma aos R$ 2,4 bi concedidos no início da obra

 Kleber Nunes, da Folha de Pernambuco

A Fiat vai receber um crédito suplementar do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para investir na fábrica que está sendo erguida em Goiana, Zona da Mata Norte. A instituição financeira aprovou o aditivo de R$ 840 milhões. O montante se soma a um empréstimo antigo, no valor de R$ 2,4 bilhões, solicitado pela montadora ainda em 2012 e aprovado em janeiro do ano passado.

Ao contrário do que se ventilou, o dinheiro não deverá ser aplicado na construção do segundo parque de fornecedores da empresa, que será erguido em um município vizinho a Goiana – possivelmente em Itapissuma. Segundo a assessoria da Fiat, o crédito suplementar “será utilizado no desenvolvimento de produtos que sairão da fábrica pernambucana”. O processo de fabricação de todos os itens de um automóvel demanda um investimento de R$ 500 milhões a R$ 1 bilhão.

A Fiat, que espera iniciar a operação da sua unidade no Estado no fim deste ano, já iniciou a construção do primeiro parque de sistemistas, que será composto por 14 empresas fornecedoras. Elas funcionarão dentro do terreno de 1,4 mil hectares onde a fábrica está sendo implantada. A divulgação oficial das companhias que estarão no Suplly Park 1 deverá ocorrer no próximo mês.

Entretanto, fontes ligadas ao empreendimento já haviam confirmado à Folha a vinda da Aethra Sistemas Automotivos, das italianas Pirelli e Comau, a estadunidense Lear Corporation e a brasileira SADA Transportes e Armazenagens S.A. Além de uma unidade de produção de motores da Fiat Powertrain Technologies (FPT).

O complexo da Fiat no Estado está orçado em R$ 7 bilhões, incluindo fábrica, pista de testes, centro de engenharia e as empresas sistemistas. A unidade terá capacidade para produzir 250 mil veículos por ano e 120 mil motores. A promessa é de que todo o polo automotivo irá gerar 12 mil empregos. A previsão da montadora é iniciar a comercialização de automóveis em 2015.