Brasil é 4º em produção de fontes renováveis de energia

O Brasil é o quarto País no mundo em produção de energia por fontes renováveis, atrás apenas da China, Índia e dos Estados Unidos, aponta o boletim ‘Ranking Mundial de Energia e Socioeconomia’, publicação anual da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético (SPE) do Ministério de Minas e Energia (MME).

Em 2012, o Brasil produziu 121 milhões de toneladas equivalente de petróleo (Mtep) de fontes renováveis, atrás da China (311 Mtep), da Índia (199 Mtep) e dos Estados Unidos (129 Mtep).

Na geração eólica, o País subiu cinco posições, passando de 20º em 2012, para 15º em 2013. Na produção de biogasolina (etanol), o Brasil se manteve na segunda posição em 2012, perdendo apenas para os Estados Unidos.

O mesmo ocorreu na produção de biodiesel, com a manutenção da quarta posição, superado apenas pelos Estados Unidos, Alemanha e Argentina.

O Secretário de Planejamento Energético do MME, Altino Ventura Filho, analisa que a evolução do Brasil no ranking mundial de energia eólica confirma o crescimento dessa fonte na matriz energética do País, e deve seguir aumentando.

Ele destacou ainda o potencial eólico brasileiro bem como a existência de parque industrial de equipamentos para a geração eólica, o que justifica a adição de mais capacidade geradora dessa fonte daqui para frente.

“O Brasil está desenvolvendo seu parque eólico há algum tempo e a energia eólica no Brasil tem condições extremamente favoráveis de custo. Nós temos um potencial muito grande, temos a cadeia industrial que produz os equipamentos, portanto é uma solução tipicamente nacional, com empréstimos de recursos em reais, sem risco cambial”, diz Ventura.

“E esse crescimento tem sido expressivo. A expectativa neste ano é concluirmos com cerca de 6 mil MW eólicos. Isso vai continuar nos próximos anos, em função nos leilões que nós realizamos, e portanto o Brasil vai ganhar espaço na posição mundial. Portanto, vai crescer muito mais do que os demais países e vamos ter uma posição muito mais favorável na energia eólica no mundo”, comentou Ventura.

Em termos de participação das fontes renováveis na matriz energética, apenas Islândia, Gabão e Noruega, todos com menos de 5 milhões de habitantes, superam o indicador do Brasil, de 42,6% em 2012, considerando os 87 países com PIB per capita igual ou superior ao brasileiro.

Quanto às emissões de CO2, embora o Brasil seja o 7º país em demanda total de energia, a grande participação de fontes renováveis na matriz energética permite que o País esteja em posição mais favorável nessa comparação, na 12ª posição.

Na geração hidráulica, o Brasil foi superado pelo Canadá em 2013, perdendo a segunda posição ocupada em 2012. A China ocupa a primeira posição, com geração de 912 TWh,  montante 2,3 vezes o do Canadá e 2,4 vezes o do Brasil.

A potência instalada hidráulica brasileira é a terceira maior do mundo em 2011, com 82,5 GW, perdendo para a China (249 GW) e para os Estados Unidos (100,9 GW).

O boletim “Ranking Mundial de Energia e Socioeconomia” apresenta o ranking dos 15 primeiros países – de um universo de cerca de 140 – para uma seleção de 38 indicadores, cobrindo as áreas de energia, emissões de CO2, população e economia.

Petrobras Biocombustível lança campanha de coleta de óleo de cozinha em Fortaleza

oleo-cozinha-biocombA Petrobras Biocombustível está promovendo, em Fortaleza, a campanha “Óleo usado e doado, Brasil Preservado”. Em parceria com a Cooperativa de Catadores de Materiais Recicláveis de Fortaleza e Região Metropolitana (Coopmares) e com revendas da Liquigás, a subsidiária pretende incentivar os consumidores a juntar o óleo de cozinha e fazer a doação para a cooperativa por meio do entregador de botijão de gás. Além de possibilitar um destino mais nobre ao resíduo, a ação vai permitir o incremento da renda dos catadores. A expectativa é que a inciativa atinja 140 mil residências por mês, só na capital.

Com a campanha, ao receber o gás em casa, o morador terá acesso a folhetos explicativos sobre as vantagens ambientais e sociais do reaproveitamento do óleo de fritura. O material orienta ainda que os interessados em participar poderão armazenar o resíduo líquido em garrafa de plástico e entregar a um colaborador das revendas autorizadas da Liquigás em Fortaleza. Como estímulo ao envolvimento na campanha, quem aderir a ação social concorre, mensalmente, a uma recarga de gás de cozinha.

O propósito, segundo o gerente setorial de Produção Agrícola Semiárido Norte da Petrobras Biocombustível, Paulo Roberto Dias, é ampliar a compra desta matéria-prima, que já é utilizada para produção de biodiesel e tem preços competitivos. “Trata-se de um projeto que alia conscientização, reaproveitamento de resíduos, redução de impactos ambientais e inclusão social com geração de renda”.

Nesta primeira etapa, a campanha “Brasil Preservado” conta com a participação das revendas localizadas no bairro do Montese, Conjunto Palmeiras, Vila Manoel Sátiro, Barra do Ceará, Bonsucesso, Luciano Cavalcante, Quintino Cunha e Jardim das Oliveiras.

Do resíduo à energia renovável – Todo óleo recolhido pela cooperativa passa pela estação de tratamento que retira os resíduos deixados pela fritura. Depois, é removida toda a água misturada ao produto. Esse óleo, agora beneficiado, é que pode ser adquirido para a produção de biodiesel. Assim, a Petrobras Biocombustível adquire da cooperativa matéria-prima para sua atividade produtiva na Usina de Biodiesel de Quixadá e contribui para gerar trabalho e renda na área urbana.

A Petrobras Biocombustível mantém parceria com cooperativas, associações e entidades de catadores no Ceará e na Bahia, estados onde estão localizadas suas usinas de biodiesel. Por meio desse trabalho, além de obter matéria-prima para biodiesel a preços competitivos, a empresa contribui com a preservação do meio ambiente, reduzindo os impactos desse óleo na contaminação do lençol freático e no entupimento das tubulações de esgoto, por exemplo.

Petrobras Biocombustível e Governo do Rio Grande do Norte assinam acordo para produção de biodiesel

A Petrobras Biocombustível e o Governo do Estado do Rio Grande do Norte assinaram, nesta terça-feira (10/7), em Natal (RN), protocolo de intenções para adaptação da usina experimental de biodiesel, localizada no município de Guamaré, para produção comercial. Com investimentos da ordem de R$ 5,1 milhões, a unidade atingirá, no primeiro semestre de 2013, capacidade para produzir 20 milhões de litros de biodiesel. A cerimônia contou com a presença da governadora Rosalba Ciarlini e do diretor de Biodiesel da Petrobras Biocombustível, Alberto Fontes.
Localizada no Pólo Industrial de Guamaré, a unidade experimental sedia desde 2004 o desenvolvimento de tecnologias próprias para produção de biodiesel. Nela, as equipes do Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes) testam diferentes processos e matérias-primas, como palma (dendê), mamona e girassol, com foco em inovações tecnológicas e para a melhoria dos processos e produtos. Agora, por meio do acordo, a planta experimental passará também a produzir comercialmente.

Após as obras de adaptação, a unidade poderá responder por quase toda a demanda do Estado do Rio Grande do Norte, da ordem de 22 milhões de litros por ano. “Enquanto o Cenpes segue com os projetos de pesquisa e de inovações tecnológicas que tanto contribuem para o aprimoramento do parque industrial da Petrobras Biocombustível, produziremos na mesma planta grande parte do biodiesel necessário para atender o estado”, afirma o diretor de Biodiesel da Petrobras Biocombustível, Alberto Fontes.

O acordo contempla ainda o incremento da participação de agricultores familiares na cadeia do biodiesel, com geração de até 2.430 postos de trabalhos rurais. Também prevê geração de mais 37 postos de trabalho diretos e indiretos na área industrial.

Governo propõe zerar tributos do etanol

20120710-074210.jpg

O governo Dilma tomará um conjunto de medidas para estimular a produção de etanol no país e, assim, ajudar a Petrobras a tentar resolver seu problema de caixa.

Além da decisão de elevar para 25% o teor de álcool misturado à gasolina, o Executivo estuda ainda ressarcir os produtores por tributos pagos e até zerar algumas cobranças, como de PIS/Cofins.

Segundo a Folha apurou, a Casa Civil busca soluções para catalisar a produção nacional. Por trás dessa preocupação está a Petrobras.

A companhia estatal está com suas contas sufocadas porque precisa comprar gasolina no exterior (mais cara) para dar conta do mercado doméstico, mas não pode repassar a conta para o consumidor porque o Palácio do Planalto não deixa.

Por isso, o aumento da mistura do álcool à gasolina é providencial para a Petrobras, pois passaria a adquirir menos combustível lá fora –o Brasil exporta petróleo bruto e importa derivados.

Autoridades do Executivo disseram à Folha que a presidente Dilma Rousseff já autorizou o aumento da mistura, mas somente se houver aumento da produção brasileira de álcool.

Editoria de Arte/Editoria de Arte/Folhapress

Foi o ministro Edison Lobão (Minas e Energia) quem vocalizou essa condição. “Estamos mantendo os 20%, mas a qualquer momento poderemos voltar aos 25%. Se a produção de etanol continuar no patamar em que se encontra hoje, e em que estava no ano passado, vamos mantê-la em 20%”, disse Lobão, ontem.

O presidente da Unica (União da Indústria de Cana-de-Açúcar), Antônio de Pádua Rodrigues, terá hoje uma reunião na ANP (Agência Nacional do Petróleo) para discutir o aumento na produção de álcool anidro em prejuízo, por exemplo, da produção de açúcar e álcool hidratado.

O álcool anidro é aquele misturado à gasolina, enquanto o hidratado vai direto no tanque de combustível.

“A safra está dada [a previsão de moagem de cana é de 509 toneladas, 2012-2013] e a indústria está pronta para atender o pedido do governo. Será o governo quem vai nos dizer se quer mais anidro em detrimento do hidratado ou do açúcar”, afirmou o representante da Unica.

CRÉDITO À CANA

Sobre as outras ações para o setor, a Folha apurou que o Executivo prepara uma medida provisória para dar crédito presumido à produção de cana-de-açúcar usada para fazer etanol –hoje só há ressarcimento de contribuições pagas ao produtor que produz açúcar. A discussão agora é sobre se há espaço fiscal para tanto.

O Ministério da Fazenda é contra a proposta de zerar PIS/Cofins do etanol, mas a Casa Civil, segundo interlocutores do Palácio do Planalto, é favorável.

A operação para ajudar o caixa da Petrobras está mobilizando toda a Esplanada desde que a presidente da empresa, Graça Foster, atacou problemas nas gestões passadas. Além de citar planejamentos fora da realidade, a executiva defendeu redução expressiva nos custos, inclusive os de importação.

NATUZA NERY
DE BRASÍLIA
LUCAS VETTORAZZO
DO RIO

FOLHA DE SP

Vale abre planta de produção de biodiesel de dendê no Pará

O projeto inclui uma fábrica para transformar o óleo em biodiesel a partir de 2015. O investimento total deve chegar a US$ 500 milhões.

A Biopalma da Amazônia, empresa da Vale em sociedade com o Grupo MSP, inaugura nesta terça-feira (26/6) a sua primeira usina extratora de palma (dendê), localizada no município de Moju, a 150 km de Belém.

Além disso, será construída uma planta industrial para transformar o óleo em biodiesel a partir de 2015. O investimento total deve chegar a US$ 500 milhões.
A usina tem capacidade de extração de 120 toneladas por hora de cachos de fruto fresco, o que representa cerca de 25 toneladas de óleo por hora.

O empreendimento será o maior complexo de geração de energia limpa já instalado em uma usina no Brasil

De acordo com a mineradora, este será o maior complexo de geração de energia limpa já instalado em uma usina no Brasil. Quase todos os resíduos formados ao longo da cadeira produtiva serão reaproveitados pela própria indústria na geração de energia renovável e no processo de adubação do plantio da palma.

A capacidade de geração de energia limpa é de 11 MW, dos quais 3,5 MW serão utilizados na usina e o excedente poderá ser disponibilizado à concessionária de energia do estado.

BRASIL ECONÔMICO

Petrobras está entre as maiores empresas em biocombustíveis

A Petrobras já está entre as quatro maiores empresas em produção de etanol e é a primeira em biodiesel. A afirmação foi feita pelo presidente da Petrobras Biocombustível, Miguel Rossetto, que participou, nesta segunda-feira (18/06), do seminário Global Bioenergy Partneship, no Riocentro. Único brasileiro participante do painel sobre o tema “Produção Sustentável de Bioenergia”, o executivo destacou a capacidade da Companhia nos dois segmentos: “No etanol, estamos entre as quatro maiores empresas do Brasil, com capacidade de produzir 1,3 bilhão de litros de etanol/ano. E, no biodiesel, já somos a maior produtora, com cinco usinas em operação”. Ele acrescentou que, na produção de biodiesel, é realizado um grande trabalho com agricultores familiares, especialmente do semiárido, região que apresenta baixos Índices de Desenvolvimento Humana (IDH)”.

Rossetto avaliou as vantagens do país na produção de energia renovável. “O Brasil é singular nesse quesito. Quase 50% de sua matriz é de fonte renovável e tem como base os recursos hídricos e energia renovável a partir de biomassa. Etanol e biodiesel são definitivamente combustíveis complementares à gasolina e ao diesel na matriz energética brasileira”, destacou.

O presidente lembrou que o etanol já ocupou, em 2009, 54% da matriz de combustíveis para veículos leves, o que mostra a importância desse biocombustível. “Além das reconhecidas vantagens para a redução de emissões, o diferencial está no processo produtivo. As usinas no Brasil produzem sua própria energia a partir do bagaço de cana, e também geram grande parte do seu biofertilizante. Avançamos para 100% de mecanização da colheita de cana, o que deve ser atingido em 2015, e para o aproveitamento do bagaço excedente para produção do etanol de segunda”, destacou.

O executivo finalizou sua apresentação com ênfase nos desafios da produção sustentável de biocombustíveis: “Trabalhamos para ampliar a escala de produção dos bicombustíveis, por meio de tecnologia para aumentar a produtividade e a qualidade ambiental, reduzir a necessidade de terras e promover inclusão social por meio do trabalho, o que traduz os pilares da sustentabilidade”, ressaltou.

Fonte: Petrobras

Petrobras realiza o primeiro abastecimento com etanol de bagaço de cana no Brasil

de AnaCarolina

A Petrobras realizou, nesta quinta-feira (14/6), no Posto do Futuro, na Barra da Tijuca, o primeiro abastecimento com o etanol de segunda geração produzido pela Companhia. O combustível foi fornecido para minivans que fazem o transporte de participantes da Rio+20.

A tecnologia aproveita o bagaço de cana como matéria-prima e permite ampliar a produção de etanol em 40% sem utilizar recursos adicionais da natureza. Participaram da cerimônia o presidente da Petrobras Biocombustível, Miguel Rossetto; o presidente da Petrobras Distribuidora, José Lima de Andrade Neto; o gerente geral de Abastecimento, Gás e Energia do Cenpes, Eduardo Cardoso de Melo Guerra; e o gerente geral de Pesquisa e Desenvolvimento em Abastecimento e Biocombustíveis do Cenpes, Alípio Ferreira Pinto Júnior.

O etanol de segunda geração usado nos carros da Rio+20 faz parte dos 80 mil litros produzidos até o momento em planta de demonstração. “As delegações vão conhecer essa marca tecnológica da Petrobras e do Brasil”, destacou Rossetto.

O presidente da Petrobras Distribuidora ressaltou a escolha do Posto do Futuro para o evento. “É um posto conceito tanto no que se refere ao atendimento ao cliente como na preocupação com o meio ambiente. Aqui a água é reutilizada, a iluminação é diferenciada, a água da chuva é aproveitada e temos um eletroposto. Testamos as tecnologias desenvolvidas para preservar a natureza e melhor atender ao cliente”, afirmou Lima.

O gerente geral de Pesquisa e Desenvolvimento em Abastecimento e Biocombustíveis do Cenpes destacou o esforço de sua equipe de pesquisadores que trabalham no desenvolvimento da tecnologia do etanol de segunda geração.

A Companhia tem como meta iniciar a produção em escala comercial no Brasil em 2015. A unidade deverá ser integrada a uma usina de etanol operada pela Petrobras Biocombustível. O investimento no desenvolvimento dessa tecnologia faz parte dos US$ 300 milhões previstos para pesquisas em biocombustíveis nos próximos anos. O transporte dos participantes credenciados para a Rio+20 é uma ação da Petrobras Biocombustível em parceria com a organização do evento. A utilização das vans abastecidas no Posto do Futuro Petrobras, na Barra da Tijuca, depende da realização de cadastro prévio.

Posto do Futuro Petrobras

O Posto do Futuro Petrobras reúne tecnologias de interatividade com o consumidor e dispõe de sistemas que garantem maior eficiência energética, como uso de água de chuva para rega, limpeza de pisos e lavagem de carros, além de reciclagem da água de lavagem de veículos. Com isso, o consumo de água foi reduzido em 55%. A energia solar é utilizada numa estação para carga de veículos elétricos e no aquecimento de água para lavagem de veículos, o que reduz o uso de produtos químicos e o volume de enxágue em até 10%. O chamado “telhado branco”, o uso de iluminação zenital, de indução magnética e de leds permite redução do consumo de energia. Energia eólica é acumulada em baterias e alimenta as lâmpadas de leds da iluminação de emergência das entradas da pista de abastecimento.

Fonte: Petrobras