Burocracia prejudica exportações para pequenas empresas brasileiras

exportacao.jpg
A cruzada empreendida pelo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Armando Monteiro, para destravar gargalos tão comuns na vida dos exportadores brasileiros reacende a promessa de auxílio aos empreendimentos de pequeno porte. Eles pouco se aproveitaram das medidas mais recentes, anunciadas pelo governo em 2012, para incentivá-los a cruzar as fronteiras do país. Apesar do dinamismo na geração de bens e serviços do país, medida pelo Produto Interno Bruto (PIB), e na manutenção do emprego, as micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) participam sistematicamente com fatias menores das receitas obtidas pelo Brasil no comércio internacional.

Em Minas Gerais, as MPMEs perderam, nos últimos oito anos, mais da metade da sua contribuição para o comércio do estado com o exterior. Em 2013, último dado disponível para a análise das exportações por porte de empresas, apuraram US$ 591 milhões, uma fatia de modestos 1,9% da receita total de US$ 33,43 bilhões em produtos que Minas exportou. Em 2006, haviam garantido 5,4%, percentual que já foi tímido ante os 7,8% de 10 anos atrás e os 8,1% de 2002, de acordo com estudo feito pela Exportaminas, órgão vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico.

O histórico que mostra a relevância dessas empresas no universo de exportadores mineiros é, também, como um mergulho num poço fundo. Sem conseguir vencer as dificuldades nos últimos oito anos até 2013, 341 MPMEs de Minas deixaram de exportar (veja o quadro). A participação delas caiu de 74,5% do número de exportadores para 63,8% no período avaliado. Terceira economia do Brasil, Minas tem de se contentar com o sexto lugar no ranking nacional das médias empresas exportadoras e a quarta posição entre os micro e pequenos empreendimentos que disputam o mercado internacional.

Os números relativos ao ano passado ainda estão sendo processados pelo MDIC, mas já se sabe que alguns setores enfrentaram outro obstáculo, mais cruel com os exportadores de menor porte: a retração da economia mundial. Foi o caso dos associados da Cooperativa Nacional de Apicultores (Conap), com sede em Belo Horizonte, que enfrentaram redução drástica da demanda, em 2014, por própolis in natura junto a tradicionais clientes e distribuidores do Japão.

Parceiros que até 2013 mantinham contratos fixos de compra de 500kg por mês ou 6 toneladas ao ano adquiriram não mais de 1,5 tonelada, observa o produtor e membro do conselho administrativo da instituição Irone Martins Sampaio. “Estamos tentando criar uma estratégia nova de retomar o mercado com a exportação de produtos acabados. Negociamos com um parceiro no Japão a abertura de uma filial que processará no país a nossa própolis”, afirma Irone Sampaio.
Medidas urgentes Poucas vezes se viu unanimidade entre o governo e o empresariado, mas parece haver consenso sobre a necessidade de providências rápidas e eficazes. As vendas dos pequenos representam apenas 5% do valor exportado pelo Brasil. Uma das promessas do ministro Armando Monteiro é fortalecer as estruturas do comércio exterior, com o olhar voltado para a internacionalização das micro e pequenas empresas. Segundo ele, diante do câmbio favorável, com a valorização do dólar frente ao real, e do encolhimento da economia brasileira, a exportação tornou-se um caminho. Antigo e frequente destino das exportações brasileiras, os Estados Unidos têm “prioridade irrecusável”.
“Vamos trabalhar nessa agenda com a Secretaria da Micro e Pequena Empresa (SMPE). Elas merecem ampliar a participação no comércio internacional. Estamos desenhando vários projetos e as microempresas têm um importante espaço”, diz Monteiro. Para o ministro da SMPE, Guilherme Afif Domingos, houve muitos avanços, o principal deles foi a aprovação da Lei 147/2014, que permitiu 81 inovações no Simples Nacional (programa que unifica oito tributos federais, estaduais e municipais). “Muito ainda precisa ser feito. A globalização não chegou aos pequenos. O sistema alfandegário nasceu para as grandes”, admite Afif.

Falta apoio para boas iniciativas

Diante do baixo volume exportado pelas micro, pequenas e médias empresas, pesquisa realizada pela seguradora Zurich com 3.800 pequenas e médias empresas de 19 países demonstrou que o interesse do segmento brasileiro pela exportação é o menor do mundo, sendo que poucas delas veem no filão um bom foco de negócios. Na pesquisa, apenas 5,5% indicaram a exportação como uma oportunidade considerável. O interesse foi reduzido em dois pontos percentuais em relação a 2013 (quando marcou 7,6%) e é o mais baixo do mundo.

Ha sete anos, nasceu no Sul de Minas Gerais o Gourmet Villa Café, produzido em Carmo da Cachoeira. Com o propósito de comercializar no mercado interno produto de alta qualidade e de olho nas possibilidades externas, a empresa, que ja tinha há varias gerações expertise na produção do café, se dedicou ao produto acabado, fugindo da commodity, que hoje representa mais de 95% das exportações brasileiras. No ano passado, a marca conseguiu colocar os pés no mercado externo, vendendo o café torrado e pronto para o consumo nos Estados Unidos, na Flórida e Califórnia, e também em Xangai, na China. Passou a vender também nos Estados Unidos pelo site amazon.com.

As exportações começaram modestas, com 40 toneladas em 2014, mas a meta da empresa é grande. “Em três anos, queremos nos tornar os maiores exportadores brasileiros do produto gourmet, atingindo 30 mil toneladas anuais”, diz Rafael Duarte, diretor-executivo da empresa. Ele ressalta que os apoios de orgãos como Sebrae e Apex impulsionam o negócio, mas é preciso ter recursos para investir na capacitação técnica e em viagens para divulgar o produto. Com uma subsidiária nos Estados Unidos que cuida da distribuição do Villa Cafe, Rafael calcula que a empresa tenha investido perto de US$ 400 mil em cada um dos mercados.

Especializada na rastreabilidade que demonstra a origem de produtos como carnes, frutas, peixes, a Safe Trace, empresa mineira que nasceu na Universidade Federal de Itajuba, desenvolveu sistemas para mais de 150 produtos é a responsável pelo selo de rastreabilidade dos cafés exportados para Europa, Ásia e América do Norte. a empresa tambem desenvolve sistemas para produtos importados pelo brasil, como o salmao, criado em cativeiro no chile.

Rodrigo Argueso, diretor-presidente da empresa, acredita que, ao serem expostas ao mercado externo, as empresas participam de um processo de melhoria continuada em seus processos. “Para conseguir se lancar em um processo de internacionalização, além do apoio de orgãos governamentais e importante que as empresas encontrem parceiros locais que dominem a cultura e o mercado do país para onde se quer exportar.”

(Fonte: http://www.em.com.br/app/noticia/economia/2015/03/08/internas_economia,625219/burocracia-prejudica-exportacoes-para-pequenas-empresas-brasileiras.shtml)


Postado por Blogger no Blog das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (@blogdasmpe) em 3/09/2015 10:30:00 AM

Anúncios

Comente agora!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s