Indústrias do Araripe estão atualizando normas de uso do gesso na construção

20140211-002312.jpg

O Sindicato da Indústria do Gesso (Sindusgesso-PE) e a Associacao Nacional dos Fabricantes e Comerciantes de Gesso (Assogesso) estão investindo na consolidação e revisão das normas técnicas dos produtos de gesso, tais como premoldados de gesso (blocos e placas) e gesso em pó (revestimentos, colas de gesso, massas para acabamento, gesso para fundição, entre outros), utilizados na Construção Civil.

“Com as novas tecnologias desenvolvidas ao longo dos anos, muitos produtos adquiriram propriedades mais avançadas e também surgiram novas formas de aplicação. Em razão disso, é necessário que as normas, cuja a última versão é de 1998, sejam revisadas para que haja uma padronização dos ateriais produzidos e comercializados pelas indústrias do setor e que seu uso correto seja de conhecimento das pessoas que utilizam o gesso no mercado”, afirma Josias Inojosa Filho, vice-presidente do Sindusgesso.

A iniciativa conta com o apoio do Instituto de Tecnologia de Pernambuco (Itep), da Associação Brasilira de Normas Técnicas (ABNT), Sebrae e do Ministério da Ciência e Tecnologia por meio do Agência Brasileira de Inovação (Finep).

Segundo ele, a revisão das normas vai beneficiar principalmente os consumidores finais que contarão com parâmetros confiáveis para avaliar os produtos que estão sendo oferecidos no mercado e, assim, evitar a aquisição de itens inadequados. Para Josias Inojosa, o trabalho também contribuirá para a valorização do gesso no mercado nacional a exemplo do que ocorre na Europa e Estados Unidos onde o produto é mais caro do que o cimento devido às suas propriedades como resistência, isolamento térmico e acústico, praticidade e flexibilidade na aplicação e menor peso.

A primeira etapa do trabalho de revisão das novas normas está sendo finalizado por técnicos do Itep. A fase seguinte será a constituição de um comitê de estudos formado por representantes das indústrias, construtoras, aplicadores de gesso, população e instituições governamentais que irá discutir a minuta elaborada pelo Itep e apresentar sugestões.

Em seguida, o resultado segue para a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que encaminha para votação nacional. O estudo é avaliado e, depois, retorna ao grupo de trabalho, para que sejam feitas as prováveis alterações recomendadas. Só depois, é que será criada uma nova Norma Brasileira de Referência (NBR). A meta é que os trabalhos sejam concluídos este ano.

Fonte: Assessoria de Imprensa do Sindusgesso

20140211-002238.jpg

Anúncios

Comente agora!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s