20140125-104004.jpg

Crédito imobiliário atingiu R$ 109,2 bilhões e entidade já projeta uma nova alta entre 15% e 20% nos desembolsos em 2014

Os financiamentos imobiliário com recursos da poupança totalizaram R$ 109,2 bilhões em 2013, um recorde dessa modalidade. Mais de meio milhão de imóveis foram financiados com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), 32% acima do montante alcançado em 2012. No ano anterior, o volume cresceu 3,6% e atingiu R$ 82,8 bilhões.

Os dados foram divulgados nesta (21) pela Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), que projeta uma nova alta entre 15% e 20% nos desembolsos em 2014.

A alta em 2013 foi maior do que a prevista no início do ano passado, que era de 15% a 20%. Entre os fatores que colaboraram para o bom resultado de 2013 estão o baixo desemprego, o crescimento da renda, a confiança do consumidor e a baixa inadimplência.

A maior parte dos desembolsos (R$ 76,9 bilhões) destinou-se à compra da casa própria cuja demanda aumentou 41%. Cerca de um terço do total (R$ 32,2 bilhões) refere-se ao custeio de construção de imóveis, 15% a mais que no ano anterior. O número de unidades financiadas no período de janeiro a dezembro de 2013 cresceu 17% somando 529,8 mil ante 453,2 mil, em 2012.

Apenas em dezembro último, houve expansão dos desembolsos de 7% com a liberação de crédito para aquisição de 50,9 mil imóveis. A oferta está diretamente ligada à captação líquida das cadernetas de poupança que também atingiu o maior volume histórico (R$ 54,3 bilhões) ou 46% a mais do que em 2012, elevando o saldo em 20%, para R$ 467 bilhões.

O presidente da Abecip, Octávio de Lazari Júnior, atribuiu o bom desempenho do setor à manutenção do emprego e renda associada à queda na inadimplência, maior confiança do consumidor em sua capacidade de honrar pagamentos e ainda à oferta de crédito com juros mais baixos em relação às demais modalidades de empréstimos.

A tendência, segundo prevê a Abecip, é que o setor continue aquecido, embora com crescimento mais lento. Ele justificou que o segmento envolve empreendimentos de longo prazo e que, no ano passado, houve uma concentração de entrega de imóveis.

Para quem vem adiando a compra por causa dos preços elevados dos imóveis, o executivo alerta que em 2014, a valorização deve acompanhar a inflação oficial medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, o IPCA. Para Lazari Júnior, além da lei da oferta e procura, as cotações tiveram a interferência de valores agregados como áreas de convivência, com piscinas, quadras de esportes entre outras benfeitorias.

“O mercado não vive uma bolha porque o brasileiro por natureza compra o imóvel para morar e a maior parte troca a despesa de aluguel por uma despesa de financiamento de imóvel”, esclareceu Octávio. Segundo ele, em média os mutuários amortizam a dívida com uma entrada equivalente a 35% do valor do imóvel e por isso a inadimplência é baixa no setor – em torno de 1,8%.

O executivo acrescentou que os agentes financeiros sempre ficam atentos para evitar riscos como os que afetaram as economias dos Estados Unidos e de países europeus e acenou para a possibilidade de praticamente dobrar a oferta de crédito imobiliário no Brasil nos próximos cinco anos, passando dos atuais 8,1% do Produto Interno Bruto (soma das riquezas geradas no país) para algo em torno de 15%.

Anúncios