EAS continuará a montar parte dos navios no exterior para garantir celeridade

Rochelli Dantas – Diario de Pernambuco
A compra do material chinês deve acontecer até o décimo navio encomendado pela Transpetro ao estaleiro situado em Suape. Estratégia vem sendo utilizada desde o Dragão do Mar. Foto: Deborah Ghelman/Divulgação
O Estaleiro Atlântico Sul (EAS) continuará importando megablocos da China para construir navios. A estratégia está sendo utilizada desde a construção do Dragão do Mar, terceiro navio construído no local, para que o cronograma dos 22 navios encomendados pela Transpetro (subsidiária da Petrobras) seja cumprida. A compra do material chinês deve acontecer até o décimo navio.

“Pelo tempo e produtividade que temos precisamos importar até a construção do décimo navio, quando a nossa curva de aprendizagem será normalizada. Em termos de custo, para nós não é vantajoso esta compra. Seria mais barato produzir aqui, mas só assim cumpriremos os prazos estabelecidos”, afirmou o presidente do EAS, Otoniel Reis, sem revelar em quanto o custo será acrescido.

De acordo com Reis, a operação não afeta o índice de nacionalização de 65% determinado pelo Programa de Modernização e Expansão da Frota da Transpetro (Promef). A peça vinda da China possui 11,5 mil toneladas de casco e será acoplado à parte do navio que já está em construção em solo pernambucano.

O processo de desembarque no Porto de Suape é complexo. Os navios que transportam o equipamento precisam ter acesso único ao cais principal do Porto. Isso porque, durante a operação, um navio submerge para que a peça bóie e, em seguida, fique apoiada no navio submerso, que transporta o equipamento até o Estaleiro Atlântico Sul.

Anúncios

Um comentário em “EAS continuará a montar parte dos navios no exterior para garantir celeridade”

  1. Se é para importar blocos, então devemos importar o navio pronto, que é muito mais rápido e barato. A Petrobras está se prejudicando, pagando mais e levando mais tempo para a entrega, enquanto o estaleiro esta exportando empregos.
    Creio que, além disso, o estaleiro está desrespeitando a clausula de conteúdo nacional, pois motor, propulsão, governo e instrumentação terão que ser necessariamente importados por absoluta falta de fabricante nacional.
    Não dá para entender isto,
    Abraços

Comente agora!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s