Chuvas de inverno ajudaram a aumentar produção de leite no estado.
Produtores estão otimistas em relação ao ano de 2014.

Do G1 PE

As raças bovinas que compõem o rebanho leiteiro do Nordeste estão começando agora a se recuperar do estrago provocado pela seca que castiga a região desde o ano passado. No Parque do Cordeiro, Zona Oeste do Recife, onde acontece a Exposição de Animais, criadores de todo o Nordeste mostram que os animais presentes na mostra são um sinal de que o setor está reagindo.
Criador da cidade de Pedra, no Agreste de Pernambuco, Pedro Galvão produzia cinco mil litros de leite por dia. Com a estiagem, perdeu trinta vacas e viu a produção cair drasticamente. Só agora esboça uma reação. “Com as chuvas que caíram no meio do ano, houve uma pequena melhora, mas o tempo da seca já está voltando. Houve uma recuperação com a irrigação”, disse.

Em Pernambuco, o rebanho leiteiro produzia, em média, 2.200 litros por dia. No início deste ano, a seca fez a produção despencar para 500 mil litros diários de leite. Depois das chuvas de inverno deste ano, o volume subiu para um 1.250 litros por dia. O presidente da Sociedade Nordestina de Criadores, Emanoel Rocha, está otimista. E acredita que o rebanho leiteiro de Pernambuco e da região terá dias melhores em 2014.

“A dificuldade enfrentada neste ano fez com que vários criadores comprassem terras em locais com irrigação. Assim, conseguindo alimento para o rebanho. Além disso, a previsão é que o próximo inverno tenha mais chuva, o que deixou os criadores muito entusiasmados”, afirmou o presidente da Sociedade Nordestina de Criadores.

Anúncios