Território fértil para o empreendedorismo

A cada cinco minutos, uma nova empresa surge no país, segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT). Entidade lançou nesta semana uma ferramenta que mede o perfil empresarial brasileiro, o Empresômetro

Sávio Gabriel – Especial para o Diario

Paula Silva, 34, vende roupa íntima desde os 16 anos. Em 2011, ela entrou no regime de MEI e hoje já possui duas lojas. Foto: Cristiane Silva/Esp.DP/D.A Press
Paula Silva, 34, vende roupa íntima desde os 16 anos. Em 2011, ela entrou no regime de MEI e hoje já possui duas lojas. Foto: Cristiane Silva/Esp.DP/D.A Press
O Brasil não é apenas o país do futebol. Somos, também, o território dos empreendedores. Tanto que a cada cinco minutos uma nova empresa surge no mercado nacional, segundo dados do Instituto Brasileiro de Planejamento de Tributação (IBPT), que nesta semana lançou o Empresômetro – Perfil Empresarial Brasileiro (www.empresometro.com.br). Para se ter uma ideia, dos mais de 16 milhões de empreendimentos ativos que há no país, 74% são formados por microempresas, empresas de pequeno porte e pelos microempreendedores individuais (MEIs).

“Não há dúvidas de que os brasileiros estão se lançando cada vez mais no mercado”, comenta o coordenador de estudos do IBPT, Gilberto Luiz do Amaral. Ele destaca que o crescimento econômico que o país experimenta na última década criou várias oportunidades no mercado, que são aproveitadas por quem sonha em ter seu próprio negócio. “No entanto, é preciso planejamento e gestão para que os empreendimentos atuem por vários anos”, ressalta Gilberto.

E não é para menos. O levantamento realizado pelo IBPT constatou que menos de 2% das empresas têm mais de 40 anos de existência. A maioria dos empreendimentos tem idade média de 8,8 anos. “A qualidade de empreendedor precisa ser alinhada a uma formação qualificada em gestão. As pessoas precisam aprender a gerenciar um negócio”, enfatiza o coordenador.
O superintendente do Sebrae-PE, Roberto Castelo Branco, lembra que os polos econômicos fomentam a geração de novos negócios. Foto: Marcelo Soares/DP/D.A Press

O superintendente do Sebrae-PE, Roberto Castelo Branco, lembra que os polos econômicos fomentam a geração de novos negócios. Foto: Marcelo Soares/DP/D.A Press

 

A região Nordeste vem se destacando nesse cenário. Existem pouco mais de 2,9 milhões de empresas por aqui (18,59% do total). Atrás do Sudeste (7,9 milhões) e empatada tecnicamente com o Sul (2,9 milhões), a expectativa é que a região suba no ranking nos próximos anos. “Percebemos que o nordestino está perdendo o antigo complexo de inferioridade. Ele está descobrindo vocações em diferentes setores, como o turismo, a indústria, além das áreas automobilística e têxtil”, afirma Gilberto Luiz.

O superintendente regional do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Pernambuco (Sebrae-PE), Roberto Castelo Branco, acrescenta que há uma redução no número de vagas geradas pelas grandes indústrias. “A automação de muitos processos está tirando muita gente dos empregos. Diante disto, surge a oportunidade de empreender.” Ele lembra, ainda, que a implantação dos diversos polos em Pernambuco (têxtil, farmacoquímico, vidreiro, automotivo, entre outros) estimula o nascimento de novos empreendimentos.

Pernambuco é o nono estado em concentração de empresas, com mais de 485 mil empreendimentos. Entre as capitais, Recife ocupa a 10ª posição (mais de 147 mil), atrás de outros importantes centros do Nordeste, como Salvador (aproximadamente 250 mil) e Fortaleza (que tem cerca de 219 mil).  O município de Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana, é o 50º com maior número de empresas (38 mil, em média).

A empresária Paula Silva, 34, é uma das milhares de microempreendedoras individuais que há no país. Assim como o estabelecimento dela, mais de um milhão de empresas atuam no comércio varejista de artigos de vestuário e acessórios. “Vendo roupa íntima desde os 16 anos. Aproveitava qualquer oportunidade, seja na escola, na faculdade ou no trabalho”, lembra. Há dois anos, ela entrou no regime de MEI e hoje já possui duas lojas. “Pernambuco é um ótimo lugar para empreender, por conta das empresas que chegam por aqui. Pretendo expandir a atuação cada vez mais”, comemora.

Saiba mais:
74% dos empreendimentos no Brasil são formados por microempresas, empresas de pequeno porte e microempreendedores individuais;

8,8 anos é a idade média das empresas brasileiras. Menos de 2% estão no mercado há mais de 40 anos;

6,39% das empresas atuam no comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios. O percentual corresponde a mais de 1 milhão de estabelecimentos;

As regiões Sudeste e Sul somam mais de 68% de todas as empresas brasileiras

Dados estaduais:
Pernambuco é o nono estado em concentração de empresas. São 485.667 empreendimentos (3,03% do total);

Recife é a décima capital no ranking, com 147.147 empresas (0,92%, entre as capitais) ;

Além da capital, outros municípios se destacaram. Entre as 200 cidades, Jaboatão dos Guararapes ocupa a 50ª posição (com 38.195 empresas), Olinda é a 73ª (29.035 empreendimentos), Caruaru está na 99ª posição (23.925) e Petrolina é a 125ª (19.820);

98% dos empreendimentos em Pernambuco são micros e pequenas empresas (MPEs). Elas concentram 65% dos postos de trabalho e 45% dos trabalhadores no estado.

Fonte: Estudo sobre o perfil empresarial brasileiro, realizado pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-PE)

Anúncios

Comente agora!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s