O Recife em busca de novas vocações

Prefeitura quer explorar mercados e reabrir caminhos para a indústria

KLEBER NUNES – Folha-PE

Historicamente, o Recife tem no seu DNA a vocação econômica para o comércio e serviço. De acordo com a Consultoria Econômica e Planejamento (Ceplan), esses setores foram responsáveis pela contratação de quase 800 mil trabalhadores em 2012, mais de 50% do total do emprego formal no ano. Entretanto, a nova conjuntura econômica pernambucana tem provocado mudanças. Além de um movimento natural da Capital para explorar ao máximo os benefícios provenientes da consolidação de importantes polos econômicos no seu entorno, como o Complexo de Suape, o Executivo Municipal começa a planejar ações de fomento que, aos poucos, podem desenhar a cara de uma nova economia.

O desafio de atrair parte dos grandes empreendimentos e, com eles, novas oportunidades para a Cidade, vem sendo debatido incansavelmente pela Prefeitura do Recife. No balanço de 100 dias de governo, o prefeito Geraldo Julio expôs a necessidade de posicionar a Capital na conjuntura de desenvolvimento do Nordeste e em especial, de Pernambuco, que apesar dos efeitos da crise econômica mundial, vem apresentado resultados satisfatórios de crescimento. “Está acontecendo muita coisa no entorno do Recife e precisamos fazer com que todos possam aproveitar melhor tudo isso. Estamos trabalhando para trazer para cá os centros de pesquisas dos polos automobilístico, naval, de petróleo e gás e da indústria de alimentos e bebidas”, afirmou.

Como em todo mundo, a economia se reinventa a partir da demanda do mercado. O economista Rodolfo Guimarães recordou que nos anos 1950 o Recife tinha uma atividade industrial forte no setor têxtil. “Hoje há uma tendência para que grandes empreendimentos se afastem das cidades. No entanto, nelas devem se concentrar serviços mais modernos que possam atender a um consumidor que procura atendimento e produtos diferenciados”, comentou.

Na opinião do coordenador do curso de Economia da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), José Alexandre Ferreira Filho, o processo de modernização da economia do Recife é algo inevitável. Porém, para que os planos do poder público sejam concretizados, o especialista alerta que devem ser implementadas ações conjuntas entre governo e setor privado. “Recursos para investimentos são muito limitados no Recife, mas é possível e necessário que tenhamos uma nova economia. Para isso, o setor privado precisa participar também no fomento de novos profissionais”, analisou.

Anúncios

Um comentário em “O Recife em busca de novas vocações”

  1. Nem parece que a prefeitura esta pensando sobre isso. A economia do Recife esta ainda muito tímida; açoes lentas, sem grande inovação, a cidade parece que esta parada, e pensar que ja foi a principal cidade do nordeste e uma das mais importantes do pais. Espero estar enganado

Comente agora!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s