Concentrados na região Sudeste, investimentos chegarão também ao Maranhão e Piauí

Redação NNpetro

Bacia de Campos / Foto: divulgação

A diretora-geral da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustiveis (ANP), Magda Chambriard, afirmou nesta quinta-feira (10) que a 11.ª rodada de licitações de petróleo e gás – confirmada hoje pela presidente Dilma Rousseff – demonstra o esforço do governo em descentralizar os investimentos exploratórios no país.

“Estamos indo para o litoral do Rio Grande do Norte e Amapá, áreas praticamente virgens, canalizando investimento em uma área até então muito pouco contemplada”, disse Magda Chambriard.

Atualmente, os investimentos estão concentrados na Região Sudeste, principalmente nas bacias de Campos, Santos e nas áreas de pré-sal. Segundo Magda, também haverá blocos de exploração de gás natural na bacia do Parnaíba, nos Estados do Maranhão e Piauí. Também serão mantidos blocos em áreas de bacias maduras, como oportunidade de negócios para pequenos e médios empresários. A rodada de licitação será para 172 blocos de petróleo e gás.

Potencial de extração

Estudos feitos pela agência desde 2007 mostram um potencial de extração de gás natural convencional e não-convencional em bacias internas, como a de Parecis (Mato Grosso), Parnaíba (Maranhão e Piauí), São Francisco (Minas e Bahia), Paraná (Mato Grosso do Sul) e no Recôncavo, segundo a ANP.

“Se nossas rochas tiverem a mesma qualidade da jazida americana, temos um potencial em torno de 500 trilhões de pés cúbicos (Tcf, na sigla em inglês) no Brasil. Isso ainda precisa ser comprovado”, afirmou Magda. “Temos que investir e saber o potencial do País. Temos que nos apoderar do subsolo”, afirmou Magda.

(Com informações do Estado de S.Paulo)

Anúncios