1 em cada 4 adultos tem ou está abrindo negócio no país

20120703-140331.jpg

CLAUDIA ROLLI
DE SÃO PAULO

Um em cada quatro brasileiros tem um negócio ou está criando um. Com isso, o Brasil tem a oitava maior proporção de empreendedores em relação à população adulta, entre 54 países pesquisados no mundo. Tailândia e China lideram o ranking. Os EUA vêm em 16°.

Para medir o nível de empreendedorismo, a taxa considera negócios formais e informais em estágio inicial (abertos até três anos e meio) e os estabelecidos (mais de três anos e meio).

Proporção de empreendedoras brasileiras é maior que a média mundial

Os dados serão apresentados hoje e fazem parte da 12ª edição da GEM (Global Entrepreneurship Monitor), feita pelo Sebrae em parceria com o Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade.

No Brasil, são 27 milhões de empreendedores, ou 27% da população adulta, com idade entre 18 e 64 anos.

O número é 28,5% maior do que o registrado em 2010. “Com a melhora no ambiente econômico e diminuição do desemprego, o empreendedorismo passa a ser uma opção por oportunidade e não necessidade”, diz Carlos Alberto dos Santos, diretor técnico do Sebrae nacional.

20120703-142325.jpg

No ano passado, para cada empresa aberta por necessidade (devido a perda de emprego, por exemplo), outras 2,24 foram abertas porque o investidor enxergou uma oportunidade de negócio.

Em 2002, essa proporção era inversa: para cada negócio aberto por necessidade, 0,77 era por oportunidade.

“Saímos do empreendedorismo de fundo de quintal para negócios feitos por profissionais mais capacitados”, diz Marcelo Nakagawa, coordenador do centro de empreendedorismo do Insper.

Além de mais profissionalizado, o empreendedor está mais regionalizado e otimista, diz ele. Nordeste e Centro-Oeste se destacam.

Entre os que estão no mercado há menos de três anos e meio, 58% têm a percepção de que, nos próximos seis meses, há boas oportunidades para a criação de negócios. Na média dos 54 países, esse percentual era de 39%.

Quase a metade dos empreendedores em estágio inicial (até três anos e meio) informou ainda ter pretensão de contratar entre uma e cinco pessoas em cinco anos. “Como houve mais formalização no país, é natural que isso se reflita no empreendedorismo”, diz Fernando Barbosa Filho, professor da FGV.

Após 23 anos no ramo automobilístico, José Walderez Pinto, 51, se aposentou e decidiu vender roupas em um shopping da zona leste. “Vi que havia espaço para vender produtos de mais qualidade. Aproveitei a oportunidade.” A meta é recuperar o investimento em 18 meses.

20120703-143418.jpg

20120703-143432.jpg

FOLHA.COM

Anúncios

Comente agora!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s