NAVAL Pernambuco tem, hoje, um estaleiro que já produz navios. Outro em construção e um terceiro que acaba de conseguir as licenças

Adriana Guarda

O Estaleiro Atlântico Sul (EAS), instalado no Complexo de Suape, começa a conviver com vizinhos. Quem passa pela Ilha de Tatuoca vê brotar na antiga comunidade de pescadores, o Polo Naval de Pernambuco. O local foi escolhido pelo governo do Estado para abrigar o novo cluster, que contabiliza investimentos de 3,4 bilhões em quatro estaleiros (veja arte abaixo).

Depois do EAS, o próximo empreendimento a entrar em operação será o Promar S.A. Com o investimento de R$ 205,1 milhões, o estaleiro já está com obras civis avançadas. Os primeiros galpões que vão funcionar como oficinas de produção já fazem sombra no terreno. O diretor da STX OSV (uma das sócias do estaleiro), Dail Cardoso, diz que o empreendimento está dentro do cronograma. A estimativa é iniciar o corte da chapa de aço do primeiro navio em maio de 2013 e lançar ao mar até abril de 2014.

O Promar tem em carteira a encomenda de oito navios de transporte de gás da Transpetro. Para evitar repetir os problemas do EAS e atrasar as entregas, os empreendedores decidiram fazer um consórcio com o estaleiro CGU, no Rio de Janeiro, e começar a construção do casco do primeiro gaseiro. O estaleiro conseguiu aprovação de financiamento do Fundo de Marinha Mercante (FMM) no valor de R$ 129 milhões, que será repassado pelo Banco do Brasil. Quando entrar em operação o Promar vai gerar 1.500 empregos diretos.

A maior dificuldade para o Polo Naval deslanchar foi o licenciamento ambiental. O Ministério Público de Pernambuco exigiu que a supressão vegetal da área de mangue, mata e restinga só fosse liberada quando a diretoria do Porto de Suape apresentasse um plano para zerar o passivo ambiental do porto, calculado em 210 hectares de desmatamento. Resolvido o imbróglio, a CPRH começou a liberar as licenças ambientais.

De posse das licenças, o CMO Construção e Montagem Offshore pode começar a supressão vegetal e terraplenagem do terreno. O presidente do estaleiro, José Pedro Mota, diz que as obras civis deverão ser iniciadas em janeiro de 2013 e a perspectiva é inaugurar o empreendimento em 2014. A construção do estaleiro vai abrir mil postos de trabalho na construção e outros 1.500 quando entrar em operação. O executivo adianta que está negociando as primeiras encomendas.

O estaleiro italiano Navalmare aguarda Suape apresentar uma opção de área para implantar o empreendimento, que estuda o aluguel temporário de uma área no Porto do Recife.

JORNALDO COMMERCIO

Anúncios