O novo tecido econômico que está se formando no Estado, necessita cada vez mais de corpo técnico especializado e os conhecimentos relacionados a edificações de plantas foram os primeiros a sentir o impacto. “Há cinco anos o nosso curso de edificações tinha uma média de 3,5 a 5 candidatos por vaga e hoje os alunos conseguem contratos de trabalho no segundo período”, diz a reitora de extensão do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE, antigo Cefet), Cláudia Sansil. Não é por menos que o governo federal, estadual e até a iniciativa privada estão voltando os investimentos para o ensino técnico.

Isso porque são os empregos técnicos a principal demanda do mercado de mão de obra atualmente. Para quem quer se preparar é uma ótima opção de empregabilidade rápida. “Quando se fala em falta de mão de obra especializada se fala de nível técnico. Hoje é a bola da vez, pois muitas vezes é mais interessante fazer o técnico antes do superior. Para muitos, a faculdade é um passo maior que a perna e o técnico é um curso mais rápido, mais prático e de empregabilidade bem maior”, comenta o empresário Ruy Maurício.

Ele está investindo R$ 1,5 milhão na inauguração do Centro de Ensino Grau Técnico, na Avenida Conde da Boa Vista, que vai oferecer a partir de fevereiro cursos técnicos de administração, logística, segurança do trabalho e enfermagem, com mensalidades a partir de R$ 198. As inscrições começam na próxima quarta-feira e os interessados podem ter informações sobre o processo no telefone (81) 3037.3939.

O governo federal vem desde o governo passado investindo na construção de 150 novas escolas técnicas no Brasil e uma delas foi o campus do IFPE de Ipojuca, construído para dar vazão à demanda por mão de obra em Suape.

O governo do Estado também e iniciou o segundo mandato de Eduardo Campos assinando autorização para construção da Escola Técnica Estadual Alcides Nascimento Lins, em Camaragibe. Entidades ligadas ao Sistema Fiepe, a exemplo do Senai, também mantém a tradição de formar profissionais especializados para a indústria (na semana passada o Senai estava em recesso e não foi possível obter informações sobre seus cursos). Informações sobre cursos nas unidades podem ser obtidas nos sites da IFPE (www.ifpe.edu.br), da Secretaria de Educação de Pernambuco (www.educacao.pe.gov.br) e do Senai (www.pe.senai.br).

Cursos como segurança do trabalho vem ganhando atenção e tem alto nível de empregabilidade, pois qualquer empresa precisa ter técnicos em segurança, assim como na área de automação. “Os salários para esses profissionais variam de R$ 800 a R$ 2.500. Mas há técnicos que ganham mais, pois estão muito valorizados. O importante é depois de concluir o curso continuar se especializando, fazendo cursos de extensão, atualizando-se”, comenta Cláudia Sansil. Ela informa que o IFPE mantém em seu site atualizações sobre cursos oferecidos.

Um desses técnicos que estão se especializando de olho nos empregos da nova economia é a estudante Valéria Souza, que terminou seu curso de saneamento e já partiu para o superior de gestão ambiental. “É o curso do futuro, pois a sociedade se deu conta que é necessário diminuir os problemas vinculados aos impactos ambientais”, diz a estudante.

Valeria afirma que percebeu o crescimento da área e conclui que esta seria a melhor opção para continuar os estudos. “As indústrias têm interesse em diminuir o impacto no meio ambiente, querem desenvolver projetos de prevenção. Principalmente aquelas ligadas ao petróleo e geoprocessamento.”

Anúncios