Desafio de formar quem vai conduzir os navios

Com o navio pronto vem outro desafio: pessoal capacitado para colocá-lo para navegar. O desmonte da indústria naval nacional nos últimos vinte anos desestimulou os jovens de seguirem carreira de oficial na Marinha Mercante. A falta de pessoal náutico é comprovado no estudo da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP).


O gaúcho Carlos Augusto Müller vai comandar o primeiro navio pernambucano, o suezmax João Cândido, do Estaleiro Atlântico Sul, em Suape. Fotos: Júlio Jacobina/DP/D.A Press

Estima um déficit de mão de obra de 30% de oficiais de Marinha Mercante em 2013. A pesquisa considera a demanda de 4.465 profissionais somente para trabalhar nos 49 primeiros navios encomendados pela Transpetro. Na corrida contra o tempo, os dois centros de formação da Marinha, o Centro de Instrução Graça Aranha (Ciaga), sediado no Rio de Janeiro e o Centro de Instrução Braz Aguiar localizado em Belém, se mobilizam para formar 1.432 oficiais náuticos até 2012.

Hoje estamos em plena demanda e agindo para evitar a falta de mão de obra
Agenor Junqueira – diretor de transportes marítimos da Transpetro

“É um bom problema. Há geração de empregos e vamos resolver”. É o que garante o diretor de transportes marítimos da Transpetro, Agenor Junqueira. Entusiasmado com a alavancagem da indústria naval brasileira – já ocupou o segundo lugar no mundo e caiu para o quinto posto – ele argumenta que a demanda por mão de obra no setor reflete o crescimento econômico do país, em especial do setor naval. Como subsidiária da Petrobras e gestora do Promef, a Transpetro é responsável pela contratação de pessoal das escolas navais para suprir as necessidades dos petroleiros, das embarcações, de apoio marítimo e de cabotagem.

Engenheiro de formação naval, Junqueira reconhece que há demanda de pessoal em outras atividades dentro dos navios. Ele cita: engenheiros mecânicos, engenheiros eletricistas e engenheiros metalúrgicos. O diretor da Transpetro adianta que já foi firmado convênio no valor de R$ 78 milhões entre a Agência Nacional de Petróleo (ANP) e Marinha Mercante, para melhoria das escolas de formação naval (Ciaga e Ciaba). Além da ampliação da estrutura, o convênio inclui a aquisição de novos equipamentos e a melhoria no quadro de professores. “Hoje estamos em plena demanda e agindo para evitar a falta de mão de obra”, completa.

Em relaçãoà falta de pessoal qualificado para trabalhar nos estaleiros, Junqueira antecipa que está em andamento nova etapa do Prominp para capacitação de técnicos de nível médio e superior. Ele cita ainda as iniciativas das universidades federais de todo o país para incluir na grade de cursos superiores a graduação em engenharia naval. Hoje apenas a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) oferecem a especialidade.

A formação de oficiais de Marinha Mercante é feita através da Escola de Formação de Oficiais de Marinha Mercante (EFOMM), considerada a universidade do mar. Os candidatos passam pelos centros de formação (Ciaga e Ciaba), onde fazem cursos nas áreas de náutica ou de máquinas. O Ciaga atende o Sudeste e Sul e o Ciaba o Norte e Nordeste. Os cursos têm duração de três anos com mais um ano embarcado no navio. Durante os três anos que frequenta o curso o aluno é considerado militar. Homens e mulheres podem se candidatar, desde que tenham o ensino médio completo e idade entre 17 a 23 anos.

Chefe da Superintendência de Ensino do Ciaga, o almirante Marco Antônio Guimarães Falcão, diz que diante do aquecimento do mercado de trabalho aumentou a procura pelos cursos. Em 2006 se inscreveram 5.723 candidatos e este ano 10.703 para 368 vagas. “É uma oportunidade ímpar para o jovem. Após quatro anos ele poderá se formar como oficial de náutica ou de máquina com salário inicial de R$ 7 mil que pode chegar a R$ 9 mil”, diz. Ficou interessado? Já estão abertas as inscrições para o processo seletivo da Marinha Mercante que vai selecionar candidatos de nível superior na idade entre 18 e 40 anos para o curso de adaptação para segundo oficial de máquinas. (R.F.) (Diário de Pernambuco)

Comente agora!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: