Bradesco anuncia novos cortes em suas taxas de juros

SÃO PAULO – Dando sequência às reduções de juros nas suas linhas de crédito, o banco Bradesco anunciou nesta segunda-feira (14) o corte na taxa mensal do cheque especial, que passa de 8,90% para 4,70%.

No crédito rotativo dos cartões de crédito, a taxa máxima foi para 4,7%. E a taxa máxima para utilização do limite de crédito pessoal caiu de 7,31% para 4,70%.

Utilização sustentável do crédito
De acordo com o banco, o objetivo das medidas “é incentivar a utilização sustentável do crédito, beneficiando os clientes que optarem pelas condições mais atrativas oferecidas pela Conta Fácil Bradesco”, afirmou a instituição em nota à imprensa.

O banco também anuncia reduções nas linhas de consignado para aposentados, que tiveram queda nas taxas de juros para 2,10% na máxima.

O presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco Cappi, entende que a tendência de redução da taxa de juros da economia abre novas perspectivas para o País, resultando em benefícios para toda a sociedade: “Taxas de juros menores, num país como o Brasil, de responsabilidade fiscal, setor privado dinâmico e economia diversificada, são ingredientes para um forte ciclo de desenvolvimento econômico e social”, disse Trabuco.

Superporto do Açu recebeu mais de R$ 2,6 bilhões em investimentos

20120514-170619.jpg

A LLX, empresa de logística do Grupo EBX, investiu quase R$ 200 milhões no Superporto do Açu, no primeiro trimestre de 2012, o maior investimento em infraestrutura portuária das Américas, em construção pela companhia em São João da Barra (RJ). Entre 2007 e março de 2012 foram investidos R$ 2,6 bilhões no empreendimento. O Superporto do Açu terá capacidade para movimentar até 350 milhões de toneladas por ano.

Segundo a empresa, o montante foi aplicado principalmente na dragagem do canal onshore e construção do quebra-mar (TX2), implantação da linha de transmissão e aquisição de terrenos. No mesmo período também foram realizados investimentos na montagem da correia transportadora, empilhadeira e recuperadora que serão utilizadas para movimentação de minério de ferro no terminal offshore (TX1).

No período também foram registrados importantes marcos para o desenvolvimento do Superporto do Açu, como a obtenção de Licença de Instalação para construção de linha de transmissão de 345 KV, que irá conectar o empreendimento ao Sistema Interligado Nacional, e a assinatura de memorando de entendimentos com a Ferrovia Centro Atlântica (FCA) para continuidade dos estudos de viabilidade e estudos para a obtenção das licenças ambientais necessárias à construção do trecho ferroviário até o Superporto do Açu.

“Este será um ano de extrema importância para o desenvolvimento do Superporto do Açu. Até o final de 2012 deveremos atingir grandes marcos, como o término da primeira etapa de dragagem do canal do TX2 e a conclusão das obras do quebra-mar também no TX2. Nos primeiros meses deste ano, passos importantes já foram dados”, destacou o diretor-presidente da LLX, Otávio Lazcano.

Resultado

Mesmo em fase pré-operacional, o Superporto do Açu apresentou neste trimestre receita líquida proveniente da assinatura de contratos para locação de área no valor de R$ 17,1 milhões, um crescimento de R$ 16,4 milhões em relação ao mesmo período de 2011.

A LLX encerrou o ano com R$ 297 milhões em caixa. Já o ativo imobilizado mais investimentos cresceu de R$ 1,25 bilhão no final de 2011 para R$ 1,41 bilhão para o 1º trimestre de 2012. Este resultado reflete a execução das obras de dragagem do canal e quebra-mar do TX2, obras civis no Complexo Industrial do Superporto do Açu, aquisição de terrenos e ações de sustentabilidade.

No 1º trimestre de 2012, a LLX registrou prejuízo de R$ 9 milhões. Este resultado, característico de qualquer empresa pré-operacional, está associado principalmente às despesas gerais e administrativas de R$ 38,1 milhões.

Exageros da política macroeconômica pode ser perigoso, alerta presidente do BNDES

A atuação dos bancos centrais internacionais, dentro das políticas macroeconômicas, ao influenciar a formação de taxa de juros de longo prazo, pode ser algo perigoso em certa medida, alertou nesta sexta-feira (11) o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, em palestra durante seminário internacional sobre política industrial, no Rio de Janeiro.

Ele explicou que os bancos centrais têm comprado títulos de longo prazo, com o objetivo de valorizar o título e, artificialmente, diminuir a taxa desses papéis. “Você tem hoje taxa de retorno de papéis de longo prazo de 2% ao ano, para papéis de 20 anos, 30 anos. Em grande medida, por um ativismo de bancos centrais comprando esses papéis, artificialmente valorizando e interferindo na formação da taxa de mercado”.

Coutinho disse que embora a política macroeconômica “aparente ser neutra”, ela acaba interferindo, nesse caso, na formação do custo de capital de longo prazo. Segundo o presidente do BNDES, essa interferência dos bancos centrais pode ser um mecanismo perigoso, porque a formação dos títulos de longo prazo tem um papel relevante na regulação dos mercados de capitais.

“Quando você, artificialmente, reduz muito os juros de longo prazo, na hora que o governo sai de cena, você pode ter uma reversão muito forte na taxa. Aparentemente, é uma coisa inofensiva no curto prazo, mas ela pode vir a ter consequências”.

Coutinho observou que as políticas macroeconômicas têm um impacto direto sobre o processo de decisão do setor empresarial e suas estratégias. Taxa de câmbio, taxa de juros, condições de crédito e de mercado de capitais são, segundo ele, variáveis essenciais para o processo microeconômico de tomada de decisões. Esclareceu que a política macroeconômica pode ser benigna ou desfavorável para o desenvolvimento industrial.

Na avaliação do presidente do BNDES, não se pode pensar em política industrial sem levar em conta o contexto global que, atualmente, reúne três elementos importantes: a administração da crise internacional; a mudança da geografia econômica mundial; e a aceleração do progresso tecnológico.

Ele destacou também a importância do mercado de capitais para dar suporte financeiro à política industrial, além dos instrumentos de regulação e de coordenação. Dentro desse cenário, Coutinho observou que a instabilidade e a volatilidade são riscos que a política industrial deve evitar.

Fonte: Jornal DCI

Setur-PE tem como meta tornar o estado o principal destino da operadora MGM

Com o objetivo de diversificar e intensificar a oferta turística promovendo Pernambuco junto aos agentes de viagem do Sul e Sudeste, a Secretaria de Turismo de Pernambuco (Setur), por meio da Empresa de Turismo de Pernambuco (Empetur), resolveu investir ainda mais na 10º edição do Workshow MGM, evento de maior destaque profissional promovido por uma operadora. Nesta edição, a Empetur passou de apoiador a patrocinador do evento.

Pernambuco terá um estande num local privilegiado e sua decoração irá retratar dois dos muitos atrativos do Estado, a gastronomia e o artesanato. Nele, além da distribuição do material promocional dos destinos indutores, os agentes vão poder degustar de doces típicos do Estado como é o caso do famoso bolo de rolo. A apresentação artística ficará por conta da dupla Mateus e Catirina, personagens típicos da cultura pernambucana.

“A MGM é uma empresa que vem crescendo muito, e esse evento é muito bem cuidado. Tendo em vista que nos últimos dois anos o número de pacotes cresceu em ritmo acelerado, resolvemos este ano, entrar como um dos patrocinadores do Workshow. A nossa meta é fazer de Pernambuco o principal destino do ano da operadora”, afirma o presidente da Empetur, André Correia.

Redação do DIARIODEPERNAMBUCO.COM.BR

20120514-155938.jpg

Agricultores são capacitados para a sustentabilidade

A tecnologia social Produção Agroecológica Integrada Sustentável (PAIS) chegou a três municípios de Alagoas. Um grupo de 14 famílias de Lagoa da Canoa, Girau do Ponciano e Olho d’Água Grande recebeu, na última semana, os kits com as sementes, uma caixa d’água, o sistema de irrigação e material para montagem de três círculos – o galinheiro central e dois canteiros para hortaliças.

Tecnologias sociais compreendem produtos, técnicas ou metodologias reaplicáveis, desenvolvidas na interação com a comunidade e que representem efetivas soluções de transformação social.

Além do material, entregue gratuitamente, os agricultores foram capacitados para a sistemática de produção. O PAIS reduz a dependência de insumos adquiridos fora da propriedade e garante subsistência e, em muitos casos, excedente de produção que pode ser comercializado e contribuir para a renda da família. A próxima etapa do projeto vai capacitar os agricultores para a formação de preços dos produtos e busca de mercados nas cidades próximas das propriedades.

“O primeiro objetivo dessa capacitação é estimular a produção de alimentos para eles mesmos. Buscamos ensinar as famílias como cuidar e cultivar em sua terra o próprio alimento, e de forma muito saudável, já que não utilizam nenhum tipo de pesticida”, explica Manoel Afonso, analista de Atendimento Coletivo Agronegócios do Sebrae em Alagoas.

Fonte: Agência Sebrae

Suape terá central de serviços a partir de 2014

20120514-155305.jpg

Queiroz Galvão venceu licitação para construir o complexo

O Porto de Suape vai contar com uma Zona Central de Serviços (ZCS) para atender às demandas da região. Hoje, uma população de 70 mil pessoas trabalha no complexo e existe uma escassez de serviços como hoteis, restaurantes, comércio, bancos, Correios e praça de alimentação na região portuária. A Queiroz Galvão Desenvolvimento Imobiliário (QGDI) venceu a licitação para construir o projeto piloto, que terá sua fase inicial entregue em 2014. A primeira etapa a ser erguida será o novo Centro Administrativo de Suape, um prédio com 11 andares e heliponto. Nas etapas seguintes serão construídas seis torres empresariais, um hotel, um open mall e mais quatro edifícios empresariais.

O vic-epresidente de Suape, Frederico Amâncio, diz que o contrato com a QGDI deverá ser assinado até o início de junho para começar a implantação do projeto. “Adotados um modelo de negócio duiferenciando, onde não vamos licitar e vender o terreno. As três empresas que disputaram a licitação (OAS, Andrade Gutierrez e QGDI) tinham a missão de oferecer a melhor permuta de empreendimentos para Suape”, explica. A QGDI ofereceu em troca da área de 12 hectares um prédio de 11 andares, onde vai funcionar o Centro Administrativo, além de 680 mil m² dentro do complexo empresarial (com seis torres) e obras de infraestrutura. A previsão é concluir todo o complexo empresarial até 2020.

JC ONLINE

MOVEXPO 2013: SUCESSO DE VENDAS MOTIVA INVESTIMENTOS DA REED MULTIPLUS NO NORDESTE

A Reed Multiplus, marca associada à Reed Exhibitions Alcantara Machado, estuda ampliar a área da MOVEXPO, uma das mais importantes feiras de negócios para o setor moveleiro, que acontece no Nordeste, para atender a demanda de novos expositores. Com 100% do espaço vendido, um ano antes da realização do evento, a promotora tem uma lista de empresas que aguardam para participar da feira. “Além de ampliar a área, estudamos a possibilidade de realizar o evento anualmente”, diz Augusto Balieiro, diretor da promotora, completando “Nossa feira apresenta-se como uma plataforma de negócios numa região com excelentes perspectivas econômicas e que mais se desenvolve no país, como também a que mais cresce em consumo de móveis no Brasil”.

A exemplo do nordeste, que cresce a índices superiores ao registrado em outras regiões do país, o setor moveleiro também está em desenvolvimento. O aquecimento da economia brasileira, a melhoria no poder de compra das classes C e D, além das perspectivas oferecidas por iniciativas como o programa Minha Casa, Minha Vida, impulsionaram o segmento moveleiro.

O cenário positivo aliado ao sucesso de público e de vendas de suas feiras, fez com que a empresa se mobilizasse a fincar raízes na região nordestina. A promotora inaugurou em março desde ano, um escritório em Recife e pretende clonar feiras de sucesso de seu portfólio, realizadas no eixo Rio São Paulo, no Nordeste. Atualmente, além da MOVEXPO, que acontecerá entre os dias 21 a 24 de maio de 2013, no Centro de Convenção de Pernambuco, em Olinda/PE, a promotora realiza na região, a FORIND NE – Feira de Fornecedores Industriais e a SUCRONOR – Mostra Sucroenergética do Nordeste. Também a EQUIPOTEL NORDESTE, adquirida recentemente pela Reed Exhibitions Alcantara Machado.

“O nosso projeto de expansão é bastante ousado e nosso objetivo é proporcionar conhecimento e qualificação, difundir tecnologias e soluções e gerar negócios e oportunidades”, diz Balieiro, se referindo às novidades das próximas edições de seus eventos. Como no caso, da FORIND NE e SUCRONOR, que contemplarão todos os segmentos industriais em 2013: Energia (Sucronor, Energias Renováveis e Energias Não Renováveis); Metal Mecânica; e Elétrica Eletrônica (Elétrica e Eletrônica, HVAC-R e Segurança). “Com a incorporação do grupo Reed Exhibitions, em fevereiro de 2011, a Multiplus Feiras & Eventos ampliou seus eventos nos setores de agronegócios, sucroenérgico e moveleiro. Como também há uma sinergia com as feiras nacionais e internacionais do portfólio da Reed Exhibitions Alcantara Machado”, complementa o executivo.

A MOVEXPO, realizada pela primeira vez em 2005, ganhou projeção com a ampliação e modernização do parque industrial moveleiro do Nordeste. Contando com a participação de expositores vindos de diversos Estados do país, e dos polos moveleiros regionais, a feira vem crescendo cerca de 30% a cada versão. Com a marca de mais de 21 mil visitantes por edição, a feira movimenta a economia local: o evento tem investimento em torno de R$ 2 milhões para a sua realização e gera cerca de 2.500 empregos temporários, além de movimentar a rede hoteleira e de turismo em seu entorno. Tendo como público alvo, representantes comerciais e lojistas do setor moveleiro, o evento apresentará lançamentos, novos materiais, design e tendências com toda tecnologia aplicada pela indústria moveleira. A feira servirá de vitrine para a mostra de lançamentos e tendências para lares e estabelecimentos de todo o Brasil e deve ter mais visibilidade com a ampliação de sua área.