Transnordestina terá R$ 70 mi para o trecho São Luís-Teresina

14/03/2012

Sem categoria

20120314-001203.jpg

Valor será para aquisição de locomotivas e na substituição de 240 quilômetros de trilhos para melhorar a operacionalidade.

O trecho da ferrovia Transnordestina de 494 km, que se estende de São Luís a Teresina (PI), terá investimentos de R$ 70 milhões até julho de 2013. O modal ferroviário é importante para o Maranhão, e, segundo a Transnordestina Logística, empresa controlada pela Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), que detém a concessão da malha, o valor será aplicado na aquisição de locomotivas e na substituição de 240 km de trilhos, com o objetivo de melhorar a operacionalidade da via.

Em toda a sua extensão, a malha da Transnordestina, que além do Maranhão e Piauí, corta os estados do Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e Alagoas, transporta cerca de
4 mil vagões por mês. Cada vagão tem capacidade aproximada de 45 toneladas, o que significa 1.800.000 toneladas/mês.

No trecho que sai de São Luís, os trens da concessionária transportam combustível e alumínio com destino a outros estados e, no sentido inverso, calcário e contêneres com cargas gerais.

Novas cargas – De acordo com a empresa, há planos para transportar papel, minerais diversos e cimento. Essas oportunidades de novas cargas que serão proporcionadas a partir dos investimentos de mais de R$ 100 bilhões em andamento no estado, foram discutidas entre o secretário de Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Maurício Macedo, e o presidente da Transnordestina, Tufi Daher, na sede da empresa, em Fortaleza.

No encontro, Maurício Macedo expôs os grandes projetos em instalação no estado, como a Refinaria Premium I em Bacabeira, a fábrica de celulose da Suzano em Imperatriz e a unidade de produção de peletes em Chapadinha, as indústrias de cimento em São Luís, a aciaria em Açailândia, a exploração de gás em Capinzal do Norte e Santo Antônio dos Lopes, entre outros empreendimentos, com potencial de geração de novas cargas para a Transnordestina.

“Discutimos com o presidente da Transnordestina uma série de questões ligadas a operações no Porto do Itaqui e construção de ramais ferroviários para chegar a novas cargas como o transporte de celulose e peletes da Suzano, combustível, cimento, grãos, entre outros produtos”, disse Maurício Macedo.

Grupo – Segundo o secretário, Tufi Daher ficou entusiasmado com o resultado do encontro e se dispôs a indicar técnicos da empresa para integrarem um grupo de trabalho formado por representantes da Sedinc, Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), Vale e Suzano, para discutir a construção de ramais ferroviários.

Sobre a possibilidade de investir em trem de passageiros, como foi no passado, à época da Rede Ferroviária Federal Sociedade Anônima (RFFSA), a Transnordestina descartou-a, ao justificar que é concessionária de transporte de cargas.
Mais

- A ferrovia Transnordestina tem 1.728 quilômetros de extensão. Ligará a cidade de Eliseu Martins (PI) ao Porto de Suape e ao Porto de Pecém, respectivamente na Região Metropolitana do Recife e Região Metropolitana de Fortaleza, cruzando praticamente todo o território dos estados de Pernambuco e Ceará, com entroncamento em Salgueiro (PE).

- Quando ficar pronta, a Transnordestina terá capacidade para transportar até 100 milhões de toneladas.

Recursos do PAC vão garantir a construção de 1.740 km de linhas

Serão R$ 6,5 bilhões do Governo Federal e da Companhia Siderúrgica Nacional, empresa controladora da Transnordestina.

A Transnordestina Logística está vivenciando um novo ciclo, com os investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para a construção de cerca de 1.740 km de novas linhas, projeto que aumentará a capacidade de transporte em 20 vezes, igualando-a ao patamar das ferrovias mais modernas do mundo.

São R$ 6,5 bilhões em investimentos do Governo Federal e da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), empresa controladora da Transnordestina, ligando o cerrado do Nordeste aos portos de Suape (PE) e Pecém (CE), tendo como principais cargas grãos, fertilizantes e minérios. A conclusão da nova linha está prevista para 2014.

Com esse investimento, a atual capacidade de transporte da ferrovia, que é de 1,5 milhão de toneladas, saltará para 30 milhões de toneladas/ano a partir de 2020, devendo escoar parte dessa carga para o Porto do Itaqui, onde será exportada para os grandes mercados internacionais.

O primeiro trecho da ferrovia a ser concluído vai de Eliseu Martins (PI) até o Porto de Suape (PE). O segundo trecho parte do município de Salgueiro (PE) até o Porto de Pecém (CE). As obras são compostas por 11 lotes e 25 frentes de trabalho que empregam, hoje, cerca de 10 mil trabalhadores. No mês passado, a presidente Dilma Rousseff visitou o canteiro de obras em cidades pernambucanas e afirmou que a ferrovia será concluída até o fim de 2014.

“Prover a Região Nordeste de infraestrutura necessária para viabilizar as atividades econômicas da região, por meio da redução dos custos logísticos é fundamental”, defende Miguel Andrade, gerente comercial da Transnordestina Logística, lembrando que a ferrovia passa por regiões de Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) baixíssimo e interliga diversos portos da região, como os de Maceió (AL), Suape e Recife (PE); Cabedelo (PB), Mucuripe e Pecém (CE); Itaqui (MA) e Natal (RN).

“Construímos a Transnordestina com bitolas largas e mistas e rampas de no máximo 1,5% de elevação para garantir velocidade de cruzeiro de 80 km/hora e comercial de 65 km/h”, detalha Andrade. A somatória de todas as pontes projetadas para o trecho em questão totaliza mais de 13 quilômetros de extensão.
Mais

- A Transnordestina Logística é uma empresa privada do Grupo CSN criada originalmente com o nome de Companhia Ferroviária do Nordeste em 1º de janeiro de 1998. Administra a malha ferroviária do Nordeste adquirida da RFFSA que era composta das seguintes superintendências regionais: SR 1 (Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte), SR 11 (Ceará) e SR 12 (Piauí e Maranhão).

- A malha ferroviária do Nordeste tem 4.238 quilômetros que se estendem pelos estados do Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas até o município de Propriá, em Sergipe.

- A Transnordestina Logística, antiga Companhia Ferroviária do Nordeste (CFN), obteve a concessão da Malha Nordeste, pertencente à Rede Ferroviária Federal S.A., no leilão realizado em 18 de julho de 1997. A outorga desta concessão foi efetivada pelo Decreto Presidencial de 30 de dezembro de 1997, publicado no Diário Oficial da União de 31 de dezembro de 1997.

- Em 2008, a razão social da Companhia Ferroviária do Nordeste (CFN) mudou para Transnordestina Logística S/A.

About these ads
, ,

Conecte-se

Assine o nosso feed RSS e perfis sociais. (Subscribe to our RSS feed and social profiles.)

Nenhum comentário ainda.

Comente agora!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 5.946 outros seguidores