Estrutura da P-55 chega ao dique seco

20120225-205152.jpg

Depois de três dias de viagem, chegou ontem ao Estaleiro Rio Grande (ERG1), onde está localizado o primeiro dique seco de grande porte do país, o “Spread Truss”, uma estrutura de 18 metros de comprimento, seis metros de largura e peso de 14 toneladas fabricada pela Cooperativa dos Trabalhadores Metalúrgicos de Canoas (CTMC) para as obras de montagem da plataforma P-55.

A carreta extensiva que a transportou saiu de Canoas às 10h de segunda-feira, parando em um posto de combustível durante a noite. Na quarta-feira, às 17h, parou na localidade de Povo Novo, na BR 392, já em área do município de Rio Grande. Às 11h de ontem, seguiu para o ERG1, onde entrou às 12h30min.

Avaliado em R$ 960 mil, o equipamento foi fabricado em 30 dias e consiste em uma peça que servirá de apoio na montagem do módulo 7 (gas booster eteg) da P-55. O transporte do equipamento de Canoas a Rio Grande foi acompanhado pelas Polícias Rodoviárias Federal e Estadual, escolta particular e uma viatura da Pacheco Logística. A previsão é de que a plataforma P-55 fique pronta em dezembro deste ano. A P-55 é uma unidade do tipo semissubmersível, atuará no Campo de Roncador, na Bacia de Campos, onde ficará ancorada.

Intelog Logística

Sergipe e Pernambuco sediam oficinas sobre o edital Micro projetos Rio São Francisco

20120225-195339.jpg

Sergipe e Pernambuco serão os próximos estados a receberem a “Oficina Micro projetos Rio São Francisco”. O encontro vem ocorrendo nos sete estados da Bacia do Rio São Francisco desde novembro de 2011, quando o Edital foi lançado, e agora acontece na capital sergipana, dia 28 de fevereiro, e em Pernambuco, na cidade de Petrolina, no dia 29. A oficina tem por objetivo orientar os produtores e artistas da região da Bacia do São Francisco a elaborar projetos para o edital Mais Cultura – Microprojetos Rio São Francisco. Para participar não é necessário realizar inscrição prévia.

A oficina de orientação sobre o edital consiste na apresentação do programaMicroprojetos – Mais Cultura, do vídeo “Microprojetos Amazônia Legal” e do edital Microprojetos Rio São Francisco, que abrange 504 municípios dos estados de Alagoas, Bahia, Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais, Pernambuco e Sergipe. Em Aracaju, a oficinaserá ministrada pelo coordenador Executivo do Microprojetos Rio São Francisco,José Maurício Dias, e em Petrolina, por Reinaldo Freire (Naldinho),representante da Funarte no Nordeste. A capacitação é uma iniciativa doMinistério da Cultura (MinC) e Fundação Nacional das Artes (Funarte) emparceria com a Secretaria de Cultura do Estado de Sergipe e SecretariaMunicipal de Cultura de Petrolina.

As inscrições para o edital “Mais Cultura – Microprojetos Rio São Francisco”, voltado para o fomento a projetos culturais de baixo custo na região da Bacia do Rio São Francisco, foram prorrogadas até o dia 31 de março. Podem participar pessoas físicas e jurídicas – sem fins lucrativos – que desenvolvam projetos de Artes Visuais, Artes Cênicas, Música, Literatura, Audiovisual, Artes e Expressões Populares e Moda. Serão contemplados 1.050 projetos no valor de R$ 15 mil, cada, em um total de R$ 15,75 milhões em prêmios.

O processo seletivo realiza um diálogo com o Programa de Revitalização da Bacia do Rio São Francisco, através de parceria com o Ministério do Meio Ambiente e a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf)/Ministérioda Integração Nacional.

Conheço edital Micro projetos Rio São Francisco: http://www.funarte.gov.br.

Serviço:

Oficina Edital Microprojetos Bacia do São Francisco

Sergipe: Dia 28 de fevereiro (terça-feira), auditório da Biblioteca Pública Epifânio Dória

Endereço: Rua Vila Cristina, s/n, Bairro 13 de Julho – Aracaju

Hora: 9h

Informações: (79) 3179-1924

Pernambuco: Dia 29 de fevereiro (quarta-feira), auditório da Justiça Federal do Estado de Pernambuco – Subseção Judiciária de Petrolina

Endereço: Praça Santos Dummont, nº101, Centro – Em frente à Câmara Municipal deVereadores de Petrolina.

Hora: 10h

Informações: (87) 8842-0639

Maíra Brandão

Estagiários: Stephanie Siqueira e Juliano Mendes da Hora

Assessoria de Comunicação

Representação Regional Nordeste Ministério da Cultura(RRNE/MinC)

Com R$ 70 bilhões de investimentos previstos, a Bahia poderá gerar 80 mil empregos

Nos próximos cinco anos, a expectativa é de que sejam gerados 80 mil empregos na área da Indústria, Comércio e Mineração

Se todos os trâmites ocorrerem como o previsto, a Bahia deverá receber cerca de R$ 70 bilhões em investimentos nos próximos cinco anos. De acordo com as a secretaria da Indústria, Comércio e Mineração, a expectativa é de que sejam gerados, somente nessas áreas, 80 mil empregos em todo o Estado. Atualmente, 288 empresas estão em fase de implantação e 44 em fase de ampliação.

A principal novidade anunciada foi a implementação de uma usina de álcool, na cidade de Pilão Arcado, a 805km de Salvador. Depois que o protocolo para a liberação do empreendimento já foi assinado, as negociações entre o consórcio que realizará a obra e a Petrobras, que deverá comprar toda a produção da indústria, estão em fase de adiantamento. Embora nome do grupo que fará o investimento ainda seja mantido em segredo, a quantia inicialmente prevista atinge a marca dos R$ 4 bilhões. Além disso, a empresa adquiriu recentemente um terreno de 400 mil hectares para dar início às obras. A previsão é de que, quando estiver funcionando, a usina produza mais álcool do que o Estado do Rio de Janeiro.

44 empresas do setor industrial estão em fase de ampliação

No balanço feito pela secretaria, divulgado pela Assessoria de Comunicação, 44 empresas que atuam no setor industrial estão em fase de ampliação. Para os próximos meses, o destaque ficou por conta da ampliação do Moinho Dias Branco. A ideia, de uma maneira geral, é ampliar a produção baiana de alimentos e fortalecer o mercado interno. Além disso, a JAC Motors anunciará oficialmente, no dia 16 de novembro, a construção de uma fábrica em Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador, que deverá empregar R$ 1,3 bilhão.

Redação iBahia / Com a colaboração de Renê Barbosa

Congresso Pernambucano de Empreendedorismo

A terceira edição do Congresso Pernambucano de Empreendedorismo: Jovens e Empreendedores (CPEJE), realizado pela Guia de Ação, está confirmada e com data marcada para os dias 11 e 12 de maio, no Teatro da UFPE.

Com o tema “Geração empreendedora: cirando oportunidades e realizando sonhos”, as inscrições já estão abertas através do http://www.cpeje.com.br, com 2mil vagas, mas promocional para os primeiros 500 inscritos, custando R$ 55,00 (estudante) e R$ 110,00 (profissional).

Planta do Sertão da Paraíba deve virar medicamento

A Cissampelos syntodialis , popularmente conhecida como ‘milona’ ou ‘orelha de onça’, é alvo de pesquisas na Universidade Federal da Paraíba (UFPB) há mais de 20 anos.

Uma planta medicinal muito abundante no Sertão e no Semiárido paraibano deverá ser comercializada como medicamento – em sachês – até o final do ano, para o tratamento da asma. A Cissampelos syntodialis , popularmente conhecida como ‘milona’ ou ‘orelha
de onça’, é alvo de pesquisas na Universidade Federal da Paraíba (UFPB) há mais de 20 anos.

Os benefícios da planta foram, inclusive, destaque no Globo Réporter exibido ontem, pela Rede Globo de Televisão. O programa focou no poder de cura das plantas medicinais nativas do Brasil.

Conforme a diretora do Centro de Ciências da Saúde (CCS) da UFPB, Margareth Diniz, os estudos sobre a eficácia da ‘orelha de onça’ começaram quando ela trouxe a planta de Sousa para ser pesquisa nos laboratórios da UFPB.

“No Sertão, a raiz da planta já era usada em grande quantidade para o tratamento de asma, bronquites e alergias, apresentando um resultado fantástico”, comentou a professora, acrescentando que os benefícios da planta podem até superar os dos medicamentos químicos.

Além disso, através de pesquisas de Mestrado e Doutorado na UFPB descobriu-se que a folha da ‘milona’ tem a mesma eficácia da raiz dela e também pode ser usada para o tratamento de asma – tendo menos toxidade. “Isso é muito bom, porque para fabricar o medicamento não precisa arrancar a planta e sim as folhas. A ‘milona’ é uma trepadeira e cresce em grande quantidade, permitindo o preparo em abundância”, apontou.

A última etapa do estudo, que deve ser concluída até o final do ano, é justamente a obtenção da certificação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para fabricação e comercialização da planta como medicamento.

Jornal da Paraíba

Oportunidade de negócios na Páscoa

Os ovos de Páscoa podem ser dados como presentes, mas podem também ser uma boa oportunidade de ganhar dinheiro. Para quem tem interesse em investir na produção de chocolates, ou mesmo pretenda economizar fazendo as suas guloseimas em casa, o Senac Pernambuco dá uma mãozinha. O Centro de Hotelaria e Turismo vai oferecer a oficina “Novas tendências de Páscoa”, que acontece nos dias 5 e 6 de março, no horário das 14h às 17h. Durante as aulas, os alunos vão aprender técnicas para fazer bombons e ovos de chocolate com recheios diversos e decoração.

Além disso, os participantes vão descobrir como fazer deliciosas lembrancinhas de chocolate. A base da oficina é o chocolate e não é preciso ter conhecimentos específicos para acompanhar as aulas, que são demonstrativas, com degustações. O curso de “Novas tendências de Páscoa” é direcionado a quem deseja abrir o próprio negócio sazonal, alunos e profissionais da área e também donas de casa. O investimento é de R$ 80 e a carga horária é de 6 horas/aula. Mais informações podem ser obtidas pelos telefones (81) 3413-6728, 3413-6729 e 3413-6730 ou pelo e-mail cht@pe.senac.br.

Se a ideia é profissionalizar a produção para ganhar dinheiro, o Sebrae pode ajudar. O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas oferece cursos, palestras, consultoria, informações de gestão e dá dicas para tornar o negócio mais competitivo e lucrativo. Mais informações no http://www.sebrae.com.br/uf/pernambuco ou atendimento gratuito pelo telefone 0800 570 0800.

Diário de PE

Fiat atrai atenção de imobiliária americana

O governador Eduardo Campos (PSB) recebeu ontem executivos da empresa norte-americana Related Companies New York no Palácio do Campo das Princesas. Participaram do encontro o fundador da empresa, Stephen Ross, o presidente, Jeff Blau, e o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Geraldo Júlio. Os executivos demonstraram interesse em fazer um projeto imobiliário próximo à fábrica da Fiat, em Goiana, segundo informações do governo do Estado.

A Related Companies New York é uma das maiores empresas americanas do ramo imobiliário. Os executivos vieram ao Estado a convite do próprio governador, que iniciou o contato com eles na última visita que fez aos Estados Unidos (EUA).

Depois de encontrar o governador, os executivos se reuniram com Geraldo Júlio que apresentou os projetos estruturadores de Pernambuco, mostrando as oportunidades de investimentos ligados ao setor imobiliário.

“Eles são muito fortes no ramo imobiliário, têm investimentos muito altos e estão interessados em investir no Brasil, começando por projetos em Pernambuco. O foco deles é na criação de novas áreas urbanas onde as pessoas possam morar, trabalhar, ter tudo perto, gerando mais qualidade de vida”, explicou Geraldo Júlio.

Ainda de acordo com o governo, foram definidas duas possíveis frentes de trabalho, sendo a primeira uma parceria da companhia americana com empresas que tenham projetos em execução ou a serem realizados com o governo. A segunda seria uma parceria direta com o governo, implantando novos projetos. Dentro desta linha, poderiam surgir Parcerias Público-Privadas (PPPs) nas quais os investimentos são realizados pelo Estado e iniciativa privada.

Na próxima quarta-feira, os representantes do governo do Estado terão uma reunião com uma equipe da companhia que ficou no Recife para estudar os futuros investimentos. O primeiro passo, segundo o governo, é identificar áreas, como as próximas da Fiat, em Goiana, e de Suape. Fundada em 1972, a Related emprega 2 mil profissionais e possui ativos imobiliários de US$ 15 bilhões (cerca de R$ 27 bilhões).

Jornal do Commercio