Pecém próximo de movimentar três milhões de toneladas

A movimentação de mercadorias através do porto do Pecém registrou até o último mês de outubro, um total de 2,7 milhões de toneladas (t), somando carga solta, contêineres, granel líquido e granel sólido. Isso representa um acréscimo de 12% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram movimentadas 2,4 milhões de t, devendo o terminal administrado pela Cearáportos atingir, ainda no corrente mês de novembro, o total de três milhões de toneladas.

As exportações somaram 842 mil toneladas, com variação positiva de 37%, enquanto as importações registraram a movimentação de cerca de 1,9 milhão de t, com acréscimo de três por cento em relação ao mesmo período de 2010. O transporte de longo curso assinalou o movimento de dois milhões de t, enquanto 670 mil t foram movimentadas através do transporte de cabotagem, feito entre portos brasileiros.

Mais uma vez a movimentação de contêineres cresceu acima dos 25%, com 166 mil TEUS (unidade equivalente a contêiner de 20 pés) transportados, registrando elevação positiva de 23 por cento nas exportações e de 28 nas importações.

Nas exportações os produtos mais movimentados foram as frutas (215 mil t), os minérios de ferro (214 mil t), sal (40 mil t), produtos da indústria de moagem (29 mil t), ferro fundido, ferro e aço (27 mil t), preparações de produtos hortícolas (25 mil t), carnes (24 mil t) e alumínio e suas obras(22 mil t), enquanto nas importações os destaques ficaram por conta do ferro fundido, ferro e aço com 489 mil t, dos combustíveis minerais (451 mil t), cimentos não pulverizados denominados clinkers (166 mil t), arroz (97 mil t), escória de altos-fornos granulada (85 mil t), plásticos e suas obras (69 mil t) e o algodão com 58 mil toneladas.

No ranking dos portos brasileiros, segundo dados da Secex – Secretaria do Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, o Pecém ampliou a vantagem na primeira colocação na exportação de frutas, com participação de 43%, quase três vezes a participação do segundo colocado, o porto de Santos, com 16%. Na exportação de calçados os portos de Rio Grande e Pecém estão praticamente empatados, com respectivamente 30 e 29 por cento de participação.

Na importação de ferro fundido, ferro e aço o Pecém manteve a terceira colocação com 15% de participação, ficando o primeiro lugar com o porto de São Francisco do Sul com 24% e o de Santos com 19. A liderança na importação de algodão e sua obras permanece com o porto de Suape, que registrou participação de 32% entre todos os portos brasileiros, ficando o Pecém em segundo lugar com 26 por cento.

Assessoria de Comunicação da Cearáportos

Promimp – Aprovados devem atualizar cadastro

As instituições que realizam os cursos gratuitos de qualificação profissional do Prominp (Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural) estão convocando para matrícula alunos aprovados no 5º ciclo de seleção pública.

A comunicação por carta aos futuros alunos acontece nos 13 estados onde foi realizado o último processo seletivo (Amazonas, Maranhão, Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Sergipe, Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul) e deve se estender até meados de 2012. O Prominp orienta, portanto, que os futuros alunos mantenham seus dados cadastrais atualizados no Portal de Qualificação Profissional do site (www.prominp.com.br).

A instituição de ensino responsável pelo curso escolhido pelo candidato efetuará a convocação para a matrícula por meio de carta, que será enviada para o endereço cadastrado no ato da inscrição.

Aviso por carta

Desde o início do ano, o Prominp (Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural) vem realizando cursos gratuitos de qualificação dos aprovados no 5º ciclo de seleção pública, como forma de preparar mão de obra pa
ra atuar nas obras da Petrobras em todo o País. O último processo seletivo ofereceu 27.915 vagas de qualificação em diversas categorias profissionais, todas voltadas para o setor de petróleo e gás. As convocações para matrícula contemplarão todos os aprovados. As chamadas são sucessivas, respeitando a classificação do candidato no processo seletivo, até o preenchimento total das vagas. (Portal Marítimo)

Procon-PE inaugura unidade em Chã Grande nesta quarta-feira

O Procon Pernambuco, órgão da Secretaria Executiva de Justiça e Direitos Humanos, da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos (Sejudh/Sedsdh), inaugura, nesta quarta-feira (16), a 34ª sede do órgão no Estado. A cidade de Chã Grande, na região do agreste recebe uma unidade do Procon-PE.

O Procon Chã-Grande atenderá a população local de mais de 20 mil habitantes e os moradores das cidades circunvizinhas. A instalação do órgão no município é fruto de um convênio entre o PROCON-PE e a prefeitura da cidade.

A solenidade de inauguração será realizada às 16h, na sede do órgão, que ficará localizada na Rua João Batista Vasconcelos, 17, Bairro Manoel Simões Barbosa, Centro.

A inauguração do PROCON-Chã Grande faz parte do processo de interiorização e descentralização do PROCON-PE, que é uma das metas prioritárias do Governo Eduardo Campos e determinação da Secretária da SEDSDH, Laura Gomes.

Unidades
Com a nova unidade, o PROCON-PE chega a 34 unidades espalhadas pelo Estado e interligadas ao Sistema Nacional de Informação e Defesa do Consumidor (Sindec), sistema vinculado ao Ministério da Justiça.

As unidades são: Sede Recife, Aeroporto, Expresso Cidadão Caxangá; Arcoverde, Araripina, Vitória de Santo Antão; Caruaru (duas unidades); Limoeiro; Santa Cruz do Capibaribe; Condado; Belém do São Francisco; Serra Talhada; Timbaúba (duas unidades); Barreiros; Igarassu; Paulista; Belo Jardim; Petrolina; Jaboatão; Cabo de Santo Agostinho; Garanhuns, PROCON-Universo, PROCON-Focca, Petrolândia, Ouricuri, Sertânia, PROCON-Facipe, PROCON-Goiana, PROCON-Facape, PROCON-Salgueiro e agora, Chã Grande. (Blog da Folha)

Refinaria Premium II receberá quase 2.000 hectares no Pecém

O Governo do Estado do Ceará está preparando a escritura de um terreno de 1.930 hectares, localizado no Complexo do Pecém, a ser entregue à Petrobras para a construção da refinaria Premium II, disse ao Diário do Nordeste Online o procurador-geral do Estado, Fernando Oliveira.

A entrega de um terreno é uma das principais responsabilidades do Estado no projeto da refinaria. O investimento é da Petrobras, mas o Palácio da Abolição precisa ceder a área e uma série de outros pontos, como infraestrutura e apoio institucional. De acordo com o procurador-geral, a entrega da escritura deve ser feita até o fim do mês de novembro

De acordo ainda com o procurador, somente um lote de terra está com a desapropriação pendente, mas este fato não é entrave para a Petrobras receber o terreno e dar início às primeiras intervenções no terreno, como terraplanagem.

Aceleração do cronograma

Uma audiência entre o governador Cid Gomes e a presidente Dilma Rouseff está marcada para as 15 horas da próxima quinta-feira (17), em Brasília. Na ocasião o governador deve pedir apoio para acelerar o cronograma da refinaria Premium II, a ser instalada em uma área do Complexo do Pecém, exatamente na localidade de Matões, em Caucaia.

Era previsão da Petrobras dar início às primeiras intervenções no terreno logo no terceiro trimestre deste ano – entre julho e setembro. A área, no entanto, passou por uma série de problemas, como a reivindicação de ser um terreno indígena, por parte da etnia anacé. Neste processo a Fundação Nacional do Índio (Funai) montou um grupo de trabalho para estudar o local, mas a conclusão do levantamento também atrasou.

A previsão da Petrobras é que a refinaria comece a operar em 2017, produzindo 300 mil barris de petróleo ao dia. (Diário do NE)

Nordeste lidera total de consumidores com 1º cartão de crédito

O Nordeste superou o Sudeste no número de consumidores com seu primeiro cartão de crédito no Brasil em 2011, segundo estudo divulgado nesta segunda-feira pela Serasa Experian.

A região concentra hoje 43% das novas adesões de todo o país, enquanto que o Sudeste responde por 36%. Na sequência, aparecem Sul (11,41%), Norte (6,04%) e Centro-Oeste (3,49%).

Em 2009, 48,28% eram do Sudeste e 29,31% do Nordeste. A Serasa Experian usou informações de 300 mil CPFs e fez comparativos entre os primeiros trimestres de 2009, 2010 e 2011.

A pesquisa aponta ainda um crescimento de adesões na classe E. “No primeiro trimestre de 2009, 52% do total dos solicitantes pertenciam a esse grupo social. Em 2010, esse número cresceu para 54,8% e, em 2011, para 58,5%”, diz em nota.

Em relação à inadimplência nos primeiros quatro meses após aquisição do cartão, o estudo aponta alta. “Em 2009, 7,9% dos novos consumidores ficaram com pendências nesse período. No ano passado, esse índice caiu para 4,8%, e, neste ano, houve uma pequena elevação para 5,2%”, afirma.

Segundo a Serasa, a maioria dos novos clientes de cartão de crédito estão no segmento chamado “periferia jovem”. O estudo considera as pessoas que passaram a contar com a opção nos últimos três anos.

“Esse grupo é formado por jovens trabalhadores de baixa renda com pouca qualificação e por estudantes de periferia e famílias que recebem assistência do Estado. Em 2009, 21,75% do total de solicitantes de cartões no Brasil pertenciam a esse segmento. Em 2010, essa porcentagem chegou a 23,43% e, em 2011, foi para 25,54%”, informa.

Em segundo lugar, aparecem os “aspirantes sociais”, com 15,33%. Fazem parte deste segmento profissionais em ascensão social, donos de pequenos negócios, jovens em busca de oportunidades e também consumidores indisciplinados.

“O levantamento mostra que os públicos emergentes prevalecem, refletindo o maior acesso ao consumo de bens e serviços, inclusive financeiros”, diz o presidente da Serasa Experian e Experian América Latina, Ricardo Loureiro.

Segundo ele, o estudo é também um alerta. “Como a maioria dos novos entrantes no mercado de cartões são os jovens da periferia, o risco de inadimplência precisa ser adequadamente monitorado, pois estes consumidores normalmente não possuem vivência no mercado de crédito.”

É preciso acelerar a qualificação

Estado, empresas e prefeituras têm de agilizar formação de cursos para garantir presença do pernambucano na indústria automotiva
A fábrica da Fiat começa a ser erguida no começo do ano que vem, em Goiana, Mata Norte de Pernambuco. A Volkswagen, por sua vez, deve anunciar que vai se instalar em Suape até o final deste ano. Chegou a hora, portanto, de governo estadual, prefeituras e iniciativa privada acelerarem seus projetos para qualificar a mão de obra do pernambucano. O Estado não tem experiência no setor automotivo e corre contra o tempo para evitar que as oportunidades de emprego sejam preenchidas por estrangeiros (leia na arte abaixo as opções de treinamento que existem).A nova planta da Fiat vai ocupar uma área plana e contínua de 14 milhões de metros quadrados (m²) e vai gerar 4.500 novas oportunidades de emprego, sem contar com o número de postos indiretos que surgirão no lastro da montadora.A Fiat ainda não tem desenhado o organograma de pessoal da nova fábrica, mas estima que, das novas vagas diretas, dois terços serão destinados à linha de produção e o outro terço ficará para profissionais ligados à administração da empresa e para outros cursos técnicos.

A terraplenagem, primeira etapa de instalação da nova unidade fabril da Fiat em Goiana, começa ainda este ano. A indústria propriamente dita só começa a sair do papel no começo de 2012.

O presidente da Fiat, Cledorvino Belini, garantiu, em entrevista ao JC, no último dia 4, que já vem assinando convênios com o governo estadual para qualificar pessoal.

Quando anunciou a mudança de local do empreendimento, de Ipojuca para Goiana, em agosto passado, o governo do Estado assegurou que a conclusão das obras e o início da produção estão marcados para março de 2014.

Tendo em vista este prazo, o jovem que aspira trabalhar na nova fábrica da Fiat tem que estar atento às novas vagas de qualificação. O caminho para conseguir um emprego na montadora deve começar a ser trilhado logo.

Marcelo Farias, físico, técnico em mecânica e professor da área automotiva da escola do Senai de Santo Amaro, explicou que a média de tempo para a formação de um técnico que atue na linha de produção de uma montadora é de dois anos. O curso tem a duração de um ano e meio, mais seis meses de estágio obrigatório, especificou.

Sérgio Gaudêncio, diretor regional do Senai Pernambuco, vem participando de reuniões com a Fiat e já recebeu um primeiro quadro de demandas. Nos foi solicitado profissionais das áreas de eletrotécnica, eletromecânica, automação industrial, eletrônica, desenho industrial, soldagem e mecânica. Todos estes cursos nós já oferecemos, afirmou Gaudêncio que disse ainda que o Senai vai construir uma escola em Goiana. Já estamos acertados com a Fiat, o governo do Estado e a Prefeitura da cidade. Falta só a escolha do terreno para iniciarmos a construção.

Apesar do Senai já possuir cursos que atendam uma parte da demanda da Fiat é necessário que novos programas educacionais sejam instalados em Pernambuco. Este desafio está sendo dividido entre o governo, a Fiat e o Sistema S (Sebrae, Senai, Senac etc).

O presidente da Fiat tem o interesse de preencher todas as vagas com mão de obra local. E foi além, nosso objetivo é que, em médio prazo, toda fábrica seja gerida por pernambucanos, afirmou Belini. Para que isso aconteça, grande parte dos projetos de qualificação precisam deixar de ser promessa e virar realidade.

Secretário mostra confiança
O secretário estadual de Qualificação, Trabalho e Empreendedorismo, Antônio Carlos Maranhão, está a frente das negociações para por em prática as iniciativas que preveem a capacitação dos moradores de Goiana, das cidades circunvizinhas e também dos estudantes das escolas públicas e das universidades pernambucanas. O secretário garante que o diálogo com a Fiat vem sendo semanal e que Pernambuco está mais preparado para atender este novo ciclo de desenvolvimento.

Estamos muito confiantes. Apesar de não estar definido um quadro exato da demanda de mão de obra, Pernambuco já está se preparando para que a estrutura já existente seja aproveitada ao máximo. Estamos estudando a criação de novos cursos que atenda a necessidade de pessoal da Fiat nas escolas técnicas de Goiana, Carpina e Timbaúba, afirmou Antônio Carlos Maranhão.

Entre as 14 escolas técnicas estaduais (ETEs), a única que oferece cursos diretamente ligados ao trabalho de uma linha de produção de montadora automotiva é a Escola Técnica Estadual Professor Agamenon Magalhães (Etepam) no Recife. Entre outros cursos, a escola oferece inspeção de equipamentos industriais, mecatrônica e mecânica.

Outra opção de formação técnica é o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFPE). Atualmente existem nove campus do IFPE espalhados por Pernambuco, mas uma expansão da rede já foi anunciada pela presidente Dilma Roussef (PT). Mais nove cidades terão escolas técnicas federais. São elas: Igarassu, Abreu e Lima, Paulista, Jaboatão dos Guararapes, Olinda, Cabo de Santo Agostinho e Palmares. A previsão é que as escolas comecem a funcionar em 2013.

Das escolas que já existem, seis delas oferecem cursos que podem ser aproveitados no setor automotivo. Em Recife, Ipojuca, Caruaru, Pesqueira, Garanhuns e Afogados da Ingazeira os alunos podem se formar em eletroeletrônica, mecatrônica, eletrotécnica, automação industrial e mecânica.

Os vestibulares para as vagas de 2012 já estão em andamento. Os candidatos que quiserem se preparar para o ano que vem precisam ter o certificado de ensino fundamental completo ou equivalente na data da matrícula.

Rafael Guerra / JC

Empresários pernambucanos discutem sustentabilidade nos negócios com diretor da Fiat

Ser sustentável é mais fácil e vantajoso do que se imagina. Para demonstrar isso, a FIEPE e o IEL trouxeram, dia 10, o diretor de qualidade da Fiat para América Latina, Windson Vieira, o superintendente geral da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ), Jairo Martins e o economista Fernando Nunes para discutirem como ações socioambientais e gestão estruturada aumentam a competitividade empresarial.

Vieira informou que desde sua instalação no Brasil, em 1976, a montadora italiana investe em ações ambientalmente corretas, como telhado verde (teto coberto por vegetação) e instalações projetadas para reduzir o custo de energia ao aproveitar a ventilação e luz natural sem comprometer o conforto dos trabalhadores. O diretor da Fiat ressaltou ainda que a empresa alcançou 99% de reutilização da água e reciclagem dos resíduos produzidos.

Na área social, a indústria possui o programa Árvore da Vida, de capacitação profissional para pessoas de baixa renda e ações focadas no colaborador e sua família, como assistência médica, festas temáticas, atividades esportivas e de lazer. “Temos uma relação de interdependência com a sociedade e o colaborador satisfeito produz melhor e inova mais”, analisa.

Martins, que também foi executivo da Siemens no Brasil e Alemanha por mais de 20 anos, criticou o modelo atual de cálculo da riqueza no mundo, pois induz “a produção a qualquer custo” e não contabiliza perdas sociais, ambientais e humanas. Juntamente com os palestrantes, o economista Fernando Nunes estimulou os participantes a investir na gestão de suas empresas e na ética. “Se o empresário cumprir as suas obrigações, já será sustentável”, afirma, completando que essa postura evita perdas financeiras decorrentes de multas por burlar a lei, desgaste na imagem e outros problemas.

“Elegemos o tema para encerrar o projeto Gestão para o Futuro neste ano, porque assim cumprimos nosso compromisso de auxiliar o empresariado pernambucano a refletir sobre questões fundamentais para ganhar competitividade no mercado global”, avalia a coordenadora da UPS, Cynara Melo. O projeto, apoiado pelo Siquimpe e Sebrae, abordou anteriormente desindustrialização e inovação nos negócios com o uso das redes sociais. (FIEPE)