Projeto de Implantação da Refinaria Abreu e Lima conquista Prêmio Projeto do Ano 2011

A Petrobras participou na última terça-feira (29/11), em São Paulo (SP), da cerimônia de entrega do Prêmio Projeto do Ano 2011, na qual foi a grande vencedora da noite com o Projeto de Implantação da Refinaria Abreu e Lima. O prêmio Projeto do Ano, em seu quarto ano de existência, é uma premiação nacional que valoriza a excelência em gerenciamento de projetos, programas e portfólios, para empresas e profissionais da área. A premiação é feita pela Revista Mundo Project Management (Mundo PM), uma respeitada publicação nacional especializada e direcionada à comunidade de gerenciamento de projetos.

A premiação foi concedida ao diretor Paulo Roberto Costa, ao gerente executivo Luiz Alberto Gaspar Domingues e ao gerente do Projeto, o gerente geral Wilson Guilherme, que recebeu os prêmios e fez uma breve apresentação do projeto vencedor, destacando sua importância para o Plano de Negócios da Petrobras (PN 2011-15).

Os candidatos ao prêmio foram avaliados pelos membros do Conselho Editorial da Revista Mundo PM, incluindo professores da Fundação Dom Cabral, da Fundação Getúlio Vargas, da Fundação Vanzolini, da Fundação Instituto de Administração da Universidade de São Paulo, e líderes da International Project Management Association (IPMA), do Project Management Institute (PMI), e do Independent Project Analysis Institute (IPA Institute).

A Refinaria Abreu e Lima é um projeto importante dentro do portifólio da Petrobras para a manutenção da integração entre as atividades de exploração e produção e de refino de petróleo. A refinaria terá capacidade de processar 230 mil bpd (barris por dia) de carga de petróleo pesado (16° API), com alto teor de enxofre e converter 70% da carga de petróleo em diesel de excelente qualidade, com baixíssimo teor de enxofre (padrão europeu), reduzindo assim as importações de diesel.

Segundo o editor e diretor Executivo da Revista Mundo PM, Osmar Zózimo, “o projeto tem grande envergadura, e pelo porte, dinamismo e complexidade de integrar inúmeros pacotes, que agregam dificuldade ao gestor, e por conta da forma que vem sendo patrocinado e gerido, é o merecedor do grande prêmio”.

De acordo com Carlos Tápia, diretor do IPA Institute, “O grande destaque deste projeto é a Sala de Monitoração. Este conceito inovador permite à Petrobras implantar este megaprojeto de capital com visão integrada nas dimensões de prazo, custo e risco”. Carlos acrescenta: “Acredito que é um divisor de águas na forma de como a Petrobras irá implantar seus grandes projetos. Para mim, a Refinaria Abreu e Lima é pioneira entre os projetos da empresa”.

PDVSA adia novamente entrada em refinaria da Petrobras

A estatal venezuelana PDVSA adiou mais uma vez o aporte de recursos que vai possibilitar a sua parceria com a Petrobras na refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco.

Em nota divulgada na noite desta quarta-feira, data limite para uma resposta da PDVSA, a Petrobras informou que aceitou adiar por mais 60 dias o pagamento da dívida da venezuelana.

“A Petrobras concordou com a solicitação proposta pela PDVSA, estendendo, a partir de hoje, por 60 dias, o prazo para concluir as atividades em andamento”, afirmou a Petrobras em nota.

O acordo para a parceria entre as duas estatais na Abreu e Lima foi fechado em 2005 pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente da Venezuela, Hugo Chávez.

O projeto já está 47% pronto e irá custar no total R$26 bilhões, dos quais 40% são de responsabilidade da PDVSA.

Além da parte já investida pela Petrobras na obra, a PDVSA precisa apresentar garantias referentes à sua parte em um empréstimo de R$9 bilhões concedido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) à Petrobras em 2009.

Depois do Copom, Caixa e Banco do Brasil anunciam redução em taxas

Brasília – Depois que o Comitê de Política Monetária (Copom) anunciou a terceira redução seguida de 0,5 ponto percentual na taxa básica de juros (Selic), a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil anunciaram redução em suas taxas.

A Caixa divulgou que vai reduzir os juros de suas operações em até 1 ponto percentual para pessoas físicas e até 0,6 ponto percentual para empresas.

Segundo o vice-presidente de Finanças e Mercado de Capitais da Caixa, Márcio Perciva, as reduções fortalecem sua política de ter sempre as melhores taxas do mercado. Não especificou, porém, que 1 ponto percentual no cheque especial ou no cartão de crédito é insignificante em relação a 0,5 ponto percentual na taxa Selic, de 11,5%.

Percival disse ainda que “o aumento do crédito e a redução de juros são importantes instrumentos para manutenção dos níveis de produção, de emprego e renda; especialmente neste contexto de desaceleração da economia mundial”.

O Banco do Brasil também anunciou reduções a partir de amanhã (1º). As taxas para pessoas físicas vão cair de 2,39% ao mês para 2,35% no Crédito Benefício, de 5,31% para 5,27% no Crédito Automático e de 4,51% para 4,47% no Crédito 13º Salário.

No caso de empresas, o Giro 13º Salário baixará de 1,39% para 1,35% ao mês, o Giro APL e o Giro Saúde passarão de 1,70% para 1,66% e o Capital de Giro Mix Pasep cederá de 2,25% para 2,21%.

Stênio Ribeiro
Repórter da Agência Brasil

Edição: Rivadavia Severo

COPOM reduz Selic em 0,5 ponto porcentual

SÃO PAULO -O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu hoje, por unanimidade, cortar a taxa Selic em 0,5 ponto porcentual para 11% ao ano. Com isso, manteve o ritmo de queda do juro básico da economia iniciado em agosto, quando a taxa havia sido reduzida em 0,5 ponto porcentual. Veja abaixo a íntegra do comunicado.

A decisão de hoje ficou em linha com a previsão da maior parte dos analistas financeiros. De acordo com levantamento do AE Projeções, serviço da Agência Estado, de 71 instituições financeiras consultadas, 70 esperavam uma queda de 0,5 ponto porcentual, e uma apostava em corte de 1 ponto porcentual.

A próxima reunião do Copom está marcada para os dias 17 e 18 de janeiro. A ata da reunião de hoje será divulgada pelo BC na quinta-feira da próxima semana, dia 8 de dezembro.

Dando seguimento ao processo de ajuste das condições monetárias, o Copom decidiu, por unanimidade, reduzir a taxa Selic para 11,00% a.a., sem viés. O Copom entende que, ao tempestivamente mitigar os efeitos vindos de um ambiente global mais restritivo, um ajuste moderado no nível da taxa básica é consistente com o cenário de convergência da inflação para a meta em 2012.”

(Texto atualizado às 20h13)

Petrobras assina contrato de tubovias do Comperj

20111130-181421.jpg

A Petrobras e a empresa MPE assinaram, ontem, terça-feira (29/11), o contrato de construção e montagem das tubovias do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). O documento contempla a prestação de serviços relativos à verificação de consistência da documentação técnica, elaboração do projeto executivo, construção civil, montagem eletromecânica, interligações, comissionamento e fornecimento de bens para as tubovias do Complexo.

As tubovias são interligações de tubulações entre o bloco das unidades de processo de refino e as unidades de utilidades e de tancagem de petróleo e produtos intermediários e finais, possibilitando, assim, o funcionamento da Refinaria Trem 1. Serão utilizados na construção e montagem aproximadamente 12 mil toneladas de tubulação, 36.200 metros de estacas, 21.700 metros cúbicos de concreto para as fundações e 1.040 toneladas de suportes metálicos ao longo de 4,5 km de extensão das tubovias. O prazo contratual para execução dos serviços é de 1.183 dias corridos.

O Comperj será implantado em três etapas. A primeira fase da Refinaria do Comperj está prevista para entrar em operação no final de 2013, produzindo GLP, nafta, diesel, querosene de aviação, coque e enxofre para suprir a demanda do mercado nacional além de matéria-prima para as unidades petroquímicas. A segunda fase da refinaria está prevista para 2018. As unidades petroquímicas têm início de operação previsto para 2017, produzindo eteno, propeno, polietilenos, polipropileno entre outros petroquímicos.

Fonte: Agência Petrobras

Praia dos Carneiros é destaque em publicação nacional

A Praia dos Carneiros, localizada no litoral sul de Pernambuco, a 120 km de Recife, foi destaque na edição de novembro da revista Gol Linhas Aéreas Inteligentes, publicação distribuída gratuitamente durante os voos da companhia.

Com o título “Esta é pra casar”, a matéria de seis páginas na revista conta como a Praia dos Carneiros além de ser uma alternativa à sua vizinha, a agitada Porto de Galinhas, para visitantes que querem tranquilidade, também é destino de noivos que sonham dizer o “sim” em sua charmosa capela com um belo cenário paradisíaco ao fundo.

Brasil subaproveita seu potencial em energias renováveis

Investimentos globais em energia limpa cresceu 539% em seis anos

O Brasil ocupa uma posição de destaque na produção de energias renováveis, mas “poderia fazer mais esforços” em relação às energias solar e eólica, segundo a Conferência da ONU para o Comércio e Desenvolvimento (Unctad), que publicou nesta terça-feira um relatório sobre o tema.

“O Brasil, devido ao seu clima e à sua superfície, possui um enorme potencial em termos de energia eólica e solar, mas não explora de forma suficiente sua capacidade nessas áreas”, disse à BBC Brasil Anne Miroux, diretora do relatório Tecnologia e Inovação – Potencialização do Desenvolvimento com Energias Renováveis, da Unctad.

Ela diz que o Brasil se concentra em setores “maduros”, como os biocombustíveis e a geração de energia hidrelétrica, criados há décadas.

“O Brasil está entre os principais países que produzem energias renováveis, mas não em termos de energias modernas, como a eólica e a solar, nas quais nos focalizamos hoje”, diz Miroux.

Investimento

O relatório da Unctad revela que o Brasil foi o quinto país que mais investiu em energias limpas no ano passado, totalizando a soma de US$ 7 bilhões.

A China, com o valor recorde de US$ 49 bilhões, liderou os investimentos em energias renováveis em 2010, seguida pela Alemanha (US$ 41,1 bilhões), Estados Unidos (US$ 30 bilhões) e Itália (US$ 14 bilhões).

O Brasil, segundo dados do instituto voltado para estudos na área de energias renováveis REN 21, citados no relatório, é o quarto principal país em termos de capacidade de produção dessas energias, incluindo a hidrelétrica.

Mas o país não está entre os cinco principais em relação à capacidade de produção de energia eólica (liderada pela China) ou solar.

O relatório da Unctad afirma que os países do grupo Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) “estão fazendo avanços tecnológicos significativos nos setores eólico e solar”.

“A China está fazendo grandes esforços em relação ao uso de energias renováveis. Um dos grandes problemas do país são suas centrais térmicas que utilizam carvão. A transição não é simples e não pode ser feita de um dia para o outro”, diz Miroux.

Metas ambiciosas

A diretora do estudo ressalta que o Brasil “está no bom caminho” com o objetivo “notório” de desenvolver as energias renováveis, apesar de ainda “não fazer o suficiente” em relação às energias solar e eólica.

Ela elogiou a meta fixada pelo governo de que 75% da eletricidade produzida no país seja proveniente de energias renováveis em 2030.

MIna de carvão na China / AFPApesar de investimento em energia verde, China polui com suas centrais que usam carvão

“O Brasil é um dos raros, talvez o único, a ter uma meta tão ambiciosa”, afirma Miroux, que questiona também se as enormes reservas do pré-sal poderiam colocar em risco a estratégia atual de desenvolvimento das energias limpas no país.

Tecnologia

Segundo o relatório, os investimentos globais em energias renováveis saltaram de US$ 33 bilhões em 2004 para US$ 211 bilhões no ano passado – um aumento de 539,4%. O crescimento médio anual no período foi de 38%.

Apesar dos números, a diretora do estudo alerta que ainda faltam “centenas de bilhões de dólares” para aperfeiçoar as tecnologias nos países em desenvolvimento e expandir o uso das energias renováveis no mundo.

De acordo com o relatório, as energias renováveis oferecem uma oportunidade real para reduzir a pobreza energética nos países em desenvolvimento. (BBC Brasil)