PE terá armazém da Zona Franca

Instalado em Escada, empreendimento vai distribuir produtos de Manaus

CAMILA LIMA
Especial para a Folha

CÂMARA: logística de empresas locais será facilitadaCÂMARA: logística de empresas locais será facilitada

Pernambuco foi escolhido para receber o novo armazém geral de distribuição de produtos industrializados da Zona Franca de Manaus (ZFM). O entreposto, que será instalado no município de Escada, visa atender todo o Nordeste e deve gerar 200 empregos diretos e 150  indiretos. A empresa que irá operar o empreendimento será selecionada pela Secretaria da Fazenda do Amazonas, mediante licitação pública. O investimento previsto é de R$ 10 milhões e ficará a cargo do grupo selecionado.

A vencedora da licitação deverá atuar em regime de exclusividade e tornar-se contribuinte do Estado de Pernambuco. O protocolo que regulamenta a questão deve ser assinado, hoje, na reunião do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), realizado em Manaus.

Atualmente, em todo o Brasil,  a distribuição dos produtos da ZFM é feita através dos armazéns gerais instalados em São Paulo, Resende (RJ) e Uberlândia (MG). Com a vigência do protocolo assinado pelo Confaz, fabricantes da zona franca terão direito à suspensão do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) nas operações de remessa dos seus produtos para o entreposto de Escada. O imposto será cobrado apenas na venda definitiva do fabricante para o consumidor do atacado ou do varejo. Enquanto estado de origem da operação, o Amazonas será responsável por essa cobrança.

Segundo a Secretaria da Fazenda de Pernambuco, as principais vantagens para o Estado serão: os novos empregos; o incremento do  transporte de cargas; a ampliação do transporte marítimo; e a redução dos custos das empresas produtoras da ZFM que passarão a operar via armazém geral, o que beneficiará o consumidor nordestino.

Todas as empresas do Brasil podem participar do processo seletivo para administrar o entreposto de Escada. No entanto, o secretário da Fazenda de Pernambuco, Paulo Câmara, acredita que as empresas que atuam no Nordeste têm vantagens, pelo seu conhecimento logístico. Ele explica que o fato de Pernambuco estar localizado no centro da região favoreceu a sua escolha. A área onde será construído o entreposto foi doada pelo Governo do Estado.

Para o secretário, Pernambuco se consolida como centro logístico do Nordeste. Ele ressalta que “o armazém geral será positivo para as empresas que atuam na região e compram na Zona Franca de Manaus, pois a logística será facilitada, haverá mais agilidade e os preços serão mais baixos, graças à economia no transporte”.

Folha de PE

 

Suape terá Zona Central de Serviços

20111002-142232.jpg

O novo plano diretor do Complexo Industrial e Portuário de Suape, que prevê diretrizes para os próximos 20 anos, contempla uma área de 200 hectares para a criação de um “bairro” de serviços. Na ZCS (Zona Central de Serviços), serão instalados empreendimentos como bancos, hoteis, restaurantes, clínica, escritórios e faculdades.

“Seria um pequeno bairro planejado”, resumiu o vice-presidente do Complexo, Frederico Amâncio, referindo-se à área equivalente a 200 campos de futebol. O projeto está em fase de “modelagem” e deve ser concluído em um mês.

De acordo com Amâncio, há sete bancos e uma faculdade do Recife interessados em se instalar no complexo onde circulam cerca de 95 mil pessoas. Ainda não há uma definição sobre como será a gestão da área, se pública ou público-privada.

Concluído o projeto, a intenção é começar as obras imediatamente. De acordo com o diretor de planejamento e urbanismo de Suape, Jaime Alheiros, a ZCS levará 12 anos para ficar completamente pronta, mas a ideia é ocupá-la em lotes, gradualmente.

Saiba mais sobre o Plano Diretor de Suape

Nesta quinta-feira (29), o vice-presidente do Complexo, Frederico Amâncio, e o diretor de planejamento e urbanismo do Complexo, Jaime Alheiros, apresentaram o novo plano diretor de Suape, que vinha sendo elaborado desde 2009 e teve custo total para elaboração orçado em R$ 5,3 milhões e que planeja o desenvolvimento e a ocupação do Complexo de Suape até 2030. Uma outra novidade é a criação de uma área de serviços e comércio no Complexo.

Alguns dos principais pontos que o plano diretor aborda são as questões de desenvolvimento territorial e urbano, como regularização da atividade industrial com a criação de novas zonas na área industrial – Zona Industrial 3 e Zona Industrial 5, sendo que esta última ainda não conta com empreendimentos, mas deve receber a Companhia Siderúrgica Suape (CSS) – e a regulamentação de atividades previstas na Zona Central de Serviços, que deve contar com edifícios comerciais, hospitais, bancos, hotéis, centro de convenções.

O plano diretor também aborda a questão socioambiental e cultural. “Formalizamos como áreas culturais a região do Parque Armando Holanda, parte da Ilha Cocaia, dos engenhos, como o Massangana. Também realizamos o cadastramento das famílias que habitam Suape. Cerca de 6.800 famílias vivem dentro do Complexo, sendo que 3.800 estão em áreas de adensamento que serão regularizadas, urbanizadas e passarão a ser do município, e não mais do complexo. Já outras 2.600 famílias vivem em área de proteção ecológica e que o plano diretor determina a retirada dessas famílias que devem ser realocadas em outras regiões para que as áreas de preservação sejam recuperadas.

Em relação às últimas alterações no Plano Diretor, realizadas em 2005, o novo plano traz algumas mudanças significativas e que já vinham sendo aplicadas, como o desenho ocupacional do território de Suape, que vem estabelecendo desde o início do ano as principais áreas de ocupação. Hoje, cerca de 25 mil pessoas vivem em áreas do complexo, dividindo-se em áreas de adensamento e em áreas de preservação ambiental. E outras 65 mil trabalham na região. A questão da segurança também tem sido observada pelo plano. Além da unidade do Corpo de Bombeiros que já está instalada em Suape, há um projeto para instalação de uma unidade policial para manter a segurança no complexo.

A Zona Industrial (ZI) e a Zona Portuária não tiveram ampliação na área física. Mas passaram por reformulações que permitiram crescimento da área de aproveitamento. “A área industrial não teve ampliação, mas a área de preservação ambiental, que era de 48% no plano de 2005, vai passar para 59% agora. A área portuária teve uma ampliação de quase dez vezes em sua área de aproveitamento, o que vai possibilitar a instalação dos estaleiros Construcap e Promar.”

A Zona Portuária não teve ampliação em área total. Mas houve mudança no seu desenho, o que permite uma ampliação das operações portuárias e ampliação da área do cais. Frederico Amâncio aponta que hoje são 5 cais no Porto Interno do Porto de Suape. “Serão mais 4 cais até 2014 e a meta é atingir 20 cais até 2030. Nos próximos meses, devemos anunciar novos empreendimentos industriais.”

O primeiro plano diretor do Complexo data de 1984. Desde então, eram feitas alterações e atualização do plano, como a ultimas mudanças em 2005. Agora,este novo plano e como se fosse um marco zero de Suape de hoje.

Impsa se destaca no setor de energia limpa

A Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing de Pernambuco (ADBV-PE) premiou a empresa de aerogeradores Impsa Wind nesta terça-feira (27) pelo destaque no segmento de fabricação de aerogeradores e geração de energia limpa no Nordeste. O  Secretário de Recursos Hídricos e Energéticos do Estado, João Bosco de Almeida, participou da cerimônia concedendo o prêmio a Frank Koji Migiyama, diretor de Operações da Impsa Wind.

João Bosco ressaltou a importância da empresa e da prestação de serviços que tem contemplado toda a região do cluster eólico e ainda considerou que a empresa instalada em Suape deve se destacar no setor eólico mundial. “A Impsa foi uma empresa creditada, competente e com ótimos preços de mercado. A partir desses aspectos, o Governo do Estado apenas assistiu ao crescimento de seus ativos.”

Com o crescimento da demanda no setor, a Impsa Wind deve aumentar sua capacidade de vendas. “Vamos assistir às maiores encomendas de aero e hidrogeradores do Brasil através do cluster que está sendo montado pela Impsa na região”, disse o secretário sobre a fábrica do Complexo de Suape.

PE Investimento

Confiante, empresa de peças automotivas amplia investimentos e vagas para PE

Quinze novas empresas estão de “malas prontas” para construir sedes em Pernambuco. Este manhã, em  solenidade acontece no auditório do Banco Central, o governador Eduardo Campos assinou protocolos de intenções para que essas indústrias mos municípios de municípios de Jaboatão dos Guararapes, Goiana, Moreno, Cabo, Ipojuca, Timbaúba, Ribeirão e Bonito. Para isso, o governo do estado vai investir R$ 675 milhões, com a perspectiva de empregarão diretamente 3.361 pessoas.

Ainda durante a solenidade, o presidente da indústria de peças automotivas para motores WHB Fundição S.A, Teodoro Hübnet Filho, anunciou a ampliação no investimento para instalar a fábrica na cidade de Glória do Goitá. O montante passou de R$ 300 milhões para R$ 500 milhões, fazendo crescer também o número de empregos gerados para 2.500 pessoas, todas tirados da mão de obra local.

Com expectativa de iniciar as operações em abril de 2013, a empresa já cadastriu 240 pessoas de 18 a 40 anos que iniciam em dezembro deste ano cursos de reforço escolar em português, matemática e lógica. A indústria produz motores para mais de um milhão de automóveis por ano para todas as fábricas de automóveis do Brasil.

Confira quais são as outras empresas e os projetos que elas têm para os municípios pernambucanos:

Em Jaboatão, a empresa Bettanin pretende investir R$ 80 milhões e gerar 400 empregos na fabricação de utensílios domésticos e produtos para limpeza/higiene. Em Moreno, a Dell Anno, empresa especializada em móveis modulados, irá desembolsar R$ 61 milhões e gerar 410 empregos.

Em Timbaúba, a Alka Negócios LTDA irá destinar R$ 20 milhões para a instalação de uma fábrica de solados e artefatos de borracha, empregando 150 pessoas. Em Bonito, no Agreste Meridional, a SAN Indústria de Águas e Bebidas irá investir R$ 25 milhões na construção de uma fábrica de refrigerantes e energéticos, com a expectativa de gerar 150 empregos.

Em Ribeirão, a Sonobom vai destinar R$ 23 milhões para a fabricação de colchões, pretendendo gerar 300 empregos. As empresas de operações logísticas Tegma, Júlio Simões e Shipserv ficarão no município do Cabo; e a ABB – Turbochargers Compressores, especializada na manutenção de motores para navios será construída em Ipojuca. Juntas, as quatro indústrias vão investir R$ 104,5 milhões e empregar 300 pessoas.

O município de Goiana, na Zona da Mata Norte, terá o Polo Farmacoquímico fortalecido com a instalação de cinco novas indústrias. A Hair Fly e a Imbesa – Rishon, empresas de fabricação de cosméticos para corpo e cabelo, deverão movimentar R$ 26 milhões em investimentos e 285 empregos. A Ionquímica também sinalizou R$ 18 milhões para a construção de fábrica de produtos químicos industriais. Já a Multisaúde Farmacêutica designará cerca de R$ 5 milhões para a construção de indústria do xarope Forteviron, gerando 43 postos de trabalho. Por último, a AC Diagnósticos investirá mais de R$ 13 milhões na fabricação de kits de imunologia e hemaglutinação.

Redação do DIARIODEPERNAMBUCO.COM.BR

Plano Diretor de Suape 2030 custa R$ 5,3 mi

O Plano Diretor Suape 2030, que traça as diretrizes do Complexo Industrial Portuário de Suape para os próximos 19 anos, foi apresentado oficialmente ontem, pelo vice-presidente Frederico Amâncio. Conforme adiantou a Folha de Pernambuco em matéria na última terça-feira, o documento foi publicado no Diário Ofical do Estado do sábado, 24, e finalizado em agosto de 2010. O  custo foi de R$ 5,3 milhões e prevê novos zoneamentos para os 13,5 mil hectares do Complexo. Em suma, em 14 volumes, mapeia e organiza áreas de proteção ambiental, urbana, industrial e portuária, questões econômicas, sociais, desenvolvimento urbano e condições de uso, ocupação e parcelamento do solo.

Esta é a primeira grande revisão do Plano Diretor em 30 anos, segundo Amâncio. “Muitos projetos já estão em execução desde o início do ano”, comentou. Por exemplo, obras de mobilidade, como duplicações de vias de acesso (TDR-Sul, TDR-Norte e o contorno da Refinaria Abreu e Lima) e a Express Way, já em obras. “Houve ajustes na ZI-3 (Zona Industrial), onde ficaria a Fiat, e na ZI-5, onde há o projeto de instalação da Siderúrgica Suape. Para a Zona Portuária (ZP), o estudo prevê um redesenho”, detalhou.

A ampliação do espaço destinado a cais, segundo o vice-presidente, já passou por aprovação da Secretaria de Portos (SEP), pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) e por decreto presidencial. Assim, deixa de ser portuária e passa a área industrial. Aos atuais cinco cais, serão somados mais quatro até 2014 e, até 2030, Suape terá 20.

Já a Zona Central de Serviços (ZCS), cujo projeto deve ser finalizado em um mês, é um bairro planejado em 200 hectares, próximo ao atual centro administrativo, dispondo de edifícios comerciais, clínicas, hotéis e centro de conveções, por exemplo. Sem maiores detalhes, Amâncio adiantou que sete bancos estão interessados, assim como uma universidade. A administração de Suape ainda discute se será uma área pública ou se serão fechadas parcerias público-privadas.

O Plano Diretor prevê ainda ampliação da Zona de Proteção Ecológica (ZPE), oficialmente, 48% da área total, para 59%, depois da incorporação de novas áreas onde há cultivo de cana. Amâncio disse que já há captação de R$ 87 milhões junto à Caixa Econômica para a construção de moradias para os ocupantes da área.

Fonte: Folhade Pernabmuco (PE)/TATIANA NOTARO

Governo anuncia a chegada de mais 15 empresas em Pernambuco

Foram anunciadas nesta sexta-feira o nome de novas empresas que irão investir em Pernambuco um total de R$ 875 milhões e gerar 4.861 empregos diretos em nove municípios. Ao todo, 15 companhias estão na lista, sendo que algumas já começam a se instalar no próximo mês e todos entram em ação até 2014. No último mês de julho, o Governo havia anunciado a chegada de outras 15 empresas.

A empresa que representará o maior volume de investimentos, cerca de meia bilhão de reais, é a da fábrica de peças para motores automotivos WHB Fundição S.A., fornecedora da Fiat, GM, Volkswagen, entre outras. Ela será a primeira indústria a se instalar em Glória do Goitá, município da Mata Norte pernambucana que possui 30 mil habitantes e fica a 60 km do Recife. Sozinha, a companhia deve gerar 2.500 vagas

Para o governador Eduardo Campos, as novas plantas vão fortalecer as cadeias produtivas e ajudar na reconstrução da indústria pernambucana.

Além da WHB, a Mata Norte vai receber outras seis plantas, sendo cinco em Goiana, que vai receber R$ 61,8 milhões em investimentos e ganhar 648 oportunidades diretas de trabalho no Polo Farmacoquímico. São elas a Hair Fly e a Imbesa – Rishon, empresas de fabricação de cosméticos para corpo e cabelo, que juntas vão investir R$ 26 milhões e a Ionquímica, que aporta R$ 18 milhões para atuar na área de produtos químicos industriais.

As outras duas plantas de Goiana são a Multisaúde Farmacêutica, com R$ 4,3 milhões para a construção de indústria do xarope Forteviron, e a AC Diagnósticos, que vai destinar R$ 13,5 milhões para a fabricação de kits de imunologia e hemaglutinação. Quem também escolheu a Mata Norte foi a Alka Negócios LTDA, em Timbaúba: R$ 16 milhões para a instalação de uma fábrica de solados e artefatos de borracha, 150 postos de trabalho.

DEMAIS PLANTAS – Em Bonito, no Agreste Meridional, a SAN Indústria de Águas e Bebidas irá investir R$ 25 milhões numa fábrica de refrigerantes e energéticos, com a expectativa de gerar 100 empregos. A empresa Sonobom terá sede em Ribeirão, na Mata Sul, e destinará R$ 23 milhões para a fabricação de colchões e camas box, pretendendo gerar 350 empregos.

O Complexo Industrial Portuário de Suape será contemplado com as empresas de operações logísticas Tegma, Júlio Simões e Shipserv, todas no território do Cabo. Já a ABB – Turbochargers Compressores é a 23ª. empresa atraída pelo Suape Global, projeto de formação de um cluster voltado para os setores naval, de exploração de petróleo, gás e off-shore no porto pernambucano. A ABB é especializada na manutenção de motores para navios e será construída em Ipojuca. Juntas, as quatro novas indústrias vão investir R$ 104,5 milhões e empregar 313 pessoas.

Em Jaboatão, na Região Metropolitana do Recife, a empresa Bettanin pretende investir R$ 80 milhões e gerar 400 empregos na fabricação de utensílios domésticos e produtos para limpeza/higiene como pás, vassouras, esponjas, lava-louças, rodos e outros nove itens. A Dell Anno, produtora de móveis modulados, irá desembolsar R$ 61 milhões e gerar 410 empregos na cidade de Moreno.

Com informações da assessoria