Polo desenha nova Mata Norte

01/08/2011

OUTROS TEMAS

20110801-142705.jpg

FARMACOQUÍMICO Marcada pela cultura da cana-de-açúcar, região mudará com os R$ 2 bi previstos para instalação do polo em Goiana

Para Pernambuco o Polo Farmacoquímico, composto por sete empresas, representa mais do que a produção de medicamentos e seus insumos. Os R$ 2 bilhões de investimentos previstos, aliado à criação de mais de 5.500 empregos – segundo informações da AD Diper e das empresas – simbolizam uma nova dinâmica social e econômica para Zona da Mata Norte e para o Estado, com os seus encadeamentos. O município de Goiana, sede do novo empreendimento, historicamente marcado pela cultura da cana-de-açúcar, vai receber uma indústria das mais intensas em inovação e tecnologia, com produtos de alto valor agregado.

A mudança de vocação econômica de Goiana resultará numa nova dinâmica na região. Além da produção industrial, há uma expectativa entre os atores da nova cadeia produtiva
de que o efeito renda, gerado pela criação de empregos com maiores salários que a base local, resulte numa demanda por mais serviços na região, a exemplo do que acontece na Mata Sul, com o Polo de Suape.

Só com a instalação da Hemobrás, o empreendimento âncora do novo polo, o número de empregados chegará a 800 no pico da construção. A estrutura estará pronta em 2014. Em operação, a empresa espera gerar 360 empregos diretos e 2.720 indiretos. “A Hemobrás vem jogar um papel estratégico para o desenvolvimento de Pernambuco. Nossa expectativa é que haja uma revolução naquela região que tem um passivo social tão antigo. Esses R$ 540 milhões (valor do investimento para a implantação da fábrica) começam a mudar a face de Goiana, pois mobiliza trabalhadores e toda uma cadeia produtiva, acoplada de bens e serviços”, afirmou Romulo Maciel Filho, presidente da Hemobrás. A empresa terá a capacidade de processar 500 mil litros de plasma por ano, que vai permitir a fabricação de hemoderivados (albumina, cola de fibrina, complexo protrombínico, fator IX, fator VIII, fator de von Willebrand e imunoglobulina).

“Haverá uma revolução nessa região”, prevê Romulo Maciel

Entre as possibilidades de encadeamento gerados a partir da indústria farmacoquímica, estão a produção de caixa de papelão, bolsas plásticas de sangue, próteses plásticas, toda a parte de metrologia, uma logística especializada, indústria de equipamentos médicos, artigos cirúrgicos, entre outros. De olho na relevância do polo, a Prefeitura do Recife encomendou um estudo ao Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) para identificar as oportunidades de negócios na cadeia farmacêutica e de radiofármacos (substâncias usadas em diagnóstico por imagem e radioterapia), que está em fase de finalização.

O tamanho da demanda pelos produtos dessa indústria, no Brasil e no mundo, faz desse
mercado um dos mais prósperos entre os novos segmentos que desembarcam no Estado.
“A indústria farmacêutica é uma das maiores do mundo e os gastos com medicamentos
do Brasil estão entre os que mais crescem. O crescimento do mercado nacional foi acompanhado pelo envelhecimento da sua população, com mais doenças crônicas e mais demanda por remédios”, afirmou a professora e coordenadora do programa de pós-graduação em inovação terapêutica da UFPE, Suely Galdino.

BALANÇA COMERCIAL
A venda de medicamentos em 2010, no Brasil, superaram 2 bilhões de unidades, movimentando mais de R$ 36,2 bilhões, um crescimento de faturamento de 20,2% em relação ao ano anterior, segundo informações da Lafis. A consultoria de São Paulo faz uma projeção que a receita do setor apresente um crescimento neste ano de 11,1%. Para 2012 e 2013, a expectativa é de crescimento de 13,60% e 12,80%, respectivamente.

Além dessa perspectiva de mercado, o Polo Farmacoquímico atua estrategicamente em benefício da saúde e do equilíbrio da balança comercial do País. Mesmo com o aumento de vendas e até de exportações, o País tem um déficit na área farmoquímica-farmacêutica (insumos e drogas) que atingiu US$ 6,339 bilhões, em 2010, segundo o Ministério da Saúde.

O polo visa o fim da dependência externa no Brasil dos fármacos (princípios ativos ou
matéria-prima que compõe os medicamentos). “A necessidade de uma indústria farmoquímica no Brasil ultrapassa o fator comercial e se torna uma questão de saúde pública. Hoje o Brasil é umPaís que exporta energia, alimentos e gasolina, mas importa saúde”, afirmou Suely Galdino.

Segundo o presidente do Lafepe, Luciano Vasquez, a espera por alguns insumos que são
importados chegaram a paralisar em até seis meses a produção de alguns medicamentos
no laboratório. “Com essa nova indústria vamos dar um salto de 30 anos de atraso. A produção nacional desses insumos pode representar uma economia de até 30% para o País”, mensurou, considerando toda a cadeia de produção. “O polo proporcionará capacitação da mão de obra local, geração de empregos e domínio da tecnologia, mas o maior benefício desse empreendimento será a redução da dependência externa”, avalia Vasquez, que também é presidente da Associação Nacional de Laboratórios Oficiais (Alfob).

O laboratório estadual estará presente no polo com o Lafepe Química fornecendo insumos
para os antirretrovirais, antipsicóticos e para drogas destinadas a doenças negligenciadas,
como o medicamento para doença de Chagas, o qual o Lafepe é o único produtor mundial.
A variedade de produção do Lafepe Química pode ser ainda acrescida a partir das novas parcerias . “Hoje há uma demanda crescente de laboratórios nacionais e internacionais para realizar parcerias”, afirmou Vasquez. Em junho, o Lafepe recebe três missões de multinacionais. Novas parcerias já vão turbinar o faturamento do laboratório, que poderá dobrar já neste ano, passando de R$ 100 milhões para R$ 200 milhões.

Pesquisas geram competitividade

Ainda em fase de instalação, o polo farmacoquímico já incentivou a formação de mão de obra especializada e as pesquisas, fundamentais para competitividade de empresas do setor. A UFPE criou há menos de três anos um programa de pós-graduação em inovação terapêutica que formou 24 mestres e já conta com 83 alunos estudando – 45 no mestrado e 38 no doutorado. “Se a indústria de base tecnológica não tiver dependência científica dos atores locais, ela vai embora quando acabarem os incentivos. Ela só se fixa quando há pesquisa, desenvolvimento (P&D) e recursos humanos de alto nível para que possa interagir”, afirmou a coordenadora do programa, Suely Galdino.

Para o presidente da Hemobrás, Romulo Maciel, a maturidade e qualidade dos nossos institutos de pesquisa são fatores diferenciais para o Estado e que ajudaram a trazer o empreendimento para Pernambuco. “Há um capital intelectual e técnico alocado nas universidades, grupos de pesquisa e institutos tecnológicos e até mesmo no nosso polo médico que oferece vantagens competitivas a esse investimento.”

A falta de investimentos em pesquisas, aliás, é um dos calos da indústria brasileira. Segundo informações do Monitor Setorial da Indústria, elaborado pela consultoria Lafis, na indústria nacional os dispêndios em P&D são de apenas 0,7% da receita líquida das empresas, enquanto nas líderes mundiais está entre 15% e 20%.

HEBRON

Para o presidente da Hebron, Josimar Henrique, os grandes avanços na saúde nos últimos 30 anos passaram pela indústria farmacêutica, exemplificadas na relevância dos medicamentos imunossupressores e antirretrovirais. “As pesquisas no setor demandam
grande volume de investimentos e pessoas qualificadas, mas têm um retorno elevado”, disse. Instalada longe do polo, em Caruaru, a empresa possui convênios com diversas universidades, com destaque para o desenvolvimento de produtos fitoterápicos.

Com vocação para P&D, a Hebron – que já possui um portfólio de mais de 100 medicamentos – prevê o lançamento de cinco grandes produtos no próximo quinquênio. “Não se cria um novo produto com menos de U$ 1 milhão”, disse Josimar. A empresa investe 7% do faturamento em pesquisas. Devido à demanda de novos produtos, a previsão de investimento anual está entre R$ 15 a 20 milhões em P&D. (R.D.)

20110801-142203.jpg

Jornal do Commercio
Especial Pernambuco da Próxima Geração
Novos Setores da Economia

About these ads

Conecte-se

Assine o nosso feed RSS e perfis sociais. (Subscribe to our RSS feed and social profiles.)

Nenhum comentário ainda.

Comente agora!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 5.762 outros seguidores