Seja um projetista de navio

Instalação de estaleiros em Pernambuco abre oportunidades na área de desenhos para embarcações. Instituições de ensino já começam a oferecer cursos

Adriana Guarda // do Jornal do Commercio

Petroleiro - Projeto preliminar

A estreia de Pernambuco no cobiçado setor da construção naval provocou uma corrida não só para formar mão de obra na área industrial (como soldadores e caldeireiros), mas também está demandando projetistas, desenhistas e auxiliares de desenhistas de embarcação. O enfraquecimento da atividade nos anos 80 e 90 no Brasil fez minguar os cursos na área e afastou os profissionais das salas de aula. Sem tradição no segmento, o Estado terá que começar do zero para formar pessoal. A demanda abre oportunidade para quem tem aptidão para a área de desenho ou mesmo para leigos dispostos a aprender uma nova profissão.

O chefe de projeto dos dez navios petroleiros (Suezmax) em construção no Estaleiro Atlântico Sul (EAS), Alex Luz, de 39 anos, conta que para montar a equipe de desenho do empreendimento foi necessário importar metade da mão de obra. Da equipe de 53 pessoas, 50% são de Estados como Rio de Janeiro, Paraná e Santa Catarina. Ele próprio é uma das aquisições do EAS fora de Pernambuco. Depois de prestar serviços a estaleiros no Rio e de trabalhar como projetista no Estaleiro Itajaí (SC), trouxe a sua experiência para Pernambuco.

“Como não encontramos pessoas com formação específica na área naval, em função da escassez de profissionais após a fase de decadência do setor, fomos obrigados a fazer adaptações, aproveitando pessoas da área de arquitetura, por exemplo”, conta Luz. Ele explica que para trabalhar na área, os requisitos mínimos são possuir ensino médio completo, ter noção de desenho técnico e saber operar o software Autocad – muito usado em arquitetura (veja arte ao lado). Boa parte dos cursos técnicos oferecem essas noções. No câmpus de Ipojuca do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (IFPE), os alunos dos cursos de automação industrial e segurança do trabalho usam o Autocad como ferramenta e aprendem desenho.

“Nos anos 70, os navios eram desenhados na fábrica, com as peças sendo riscadas no chão. Agora existem vários softwares e recursos tecnológicos que mudaram esse patamar. Para se ter uma ideia, trabalhamos com uma precisão de milímetros. Os desenhos apresentam todo o delineamento da embarcação, desde o volume de tubulações, até a espessura das chapas de aço e as localizações por onde vão passar as soldas”, detalha Alex Luz. Ele explica que o desenho simula tudo o que será executado na área industrial.

O Atlântico Sul não faz o desenho dos navios porque os modelos já são padrão. O projeto básico dos petroleiros, numa versão em duas dimensões (2D), é feito pelo estaleiro sul-coreano Samsung, parceiro tecnológico do EAS. “Eles oferecem uma média de cinco modelos de petroleiros Suezmax, por exemplo. Nós escolhemos o que se adequa melhor à necessidade do nosso cliente (no caso a Transpetro) e delineamos o projeto em 3D aqui no estaleiro”, observa Luz.

O mercado local paga um salário médio de R$ 4 mil para um projetista, de R$ 2 mil para um desenhista e R$ 1 mil para um auxiliar de desenhista. “Esses são valores iniciais para o mercado interno. No EAS, o patamar salarial é maior porque tivemos que trazer mão de obra de fora, que tem um custo maior”, afirma. Na avaliação do projetista, a previsão é que a remuneração para a área de desenho se valorize ainda mais com a chegada de novos estaleiros, em função de uma equação básica: aumento da demanda e escassez de oferta.

Para contribuir com a formação da mão de obra, o EAS repassou a doação de 300 licenças de softwares que recebeu das empresas Autodesk do Brasil e Shipconstructor Software Inc. para a Universidade Federal de Pernambuco, Universidade de Pernambuco e IFPE. Os dois softwares são as principais ferramentas de desenho dos navios.

Além de importar profissionais, o Atlântico Sul também transformou operários em desenhistas. São os casos de Bartolomeu Francisco da Silva e Joselma Ferreira Leite, que atuavam como soldadores e hoje são auxiliares de desenhistas. “Fiz um curso de Autocad e mostrei interesse em me transferir. Nunca imaginei trabalhar com desenho, mas me encontrei nessa área. Isso sem falar no meu ganho salarial, com minha renda saltando de R$ 469 para R$ 1 mil”, compara Bartolomeu. “No meu caso, nem cheguei a fazer curso de desenho, aprendi na prática aqui no estaleiro”, conta Joselma.

Instituições preparam os primeiros cursos navais

Distintivo de Engenheiros e Técnicos Navais

As instituições de ensino de Pernambuco começam a se preparar para atender as demandas de qualificação profissional para a indústria naval, inclusive na área de desenho e projeto de embarcações. A partir de setembro deste ano, os interessados em se capacitar nessas áreas terão cursos disponíveis no Serviço de Aprendizagem Industrial de Pernambuco (Senai) e no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (IFPE).

A escola do Senai no Cabo de Santo Agostinho começa oferecendo um curso de curta duração e específico para a área de desenho. “Acreditamos que a partir de setembro vamos ministrar uma capacitação em CAD Naval. Será uma turma inicial de 20 alunos para avaliar a demanda, mas temos possibilidade de oferecer mais turmas caso haja uma boa procura”, diz o diretor da escola, Eduardo Veiga. O treinamento terá duração de um mês e meio e o Senai ainda está definindo o preço do curso.

Para 2011, o Senai formata a criação do curso de técnico em estrutura naval. A proposta é capacitar mão de obra para atender ao próprio Estaleiro Atlântico Sul e aos novos empreendimentos da área que estão se instalando no Complexo de Suape. Com duração de um ano e meio, o treinamento vai dar uma visão mais geral do setor, incluindo a área de desenho. “Adquirimos, em parceria com o Senai Nacional, licenças dos softwares Foran e ShipConstructor para oferecer qualificação em desenho e projeto naval”, conta Veiga, dizendo que o curso técnico também vai começar com uma pequena turma de 20 alunos.

Em dezembro deste ano, o câmpus do IFPE no município de Ipojuca vai abrir vestibular para o primeiro curso de técnico naval da instituição. Serão 72 vagas distribuídas em duas turmas. A Fundação de Estudos do Mar (Femar) – que tem experiência com a Escola do Arsenal da Marinha, no Rio de Janeiro – será responsável pela elaboração do currículo, além dos estudos de viabilidade de demanda e pedagógica. “Nossa ideia é oferecer uma formação técnica generalista na área, alinhada às necessidades dos estaleiros, com os quais queremos discutir a proposta do curso, que terá duração de dois anos”, destaca o diretor-geral do IFPE em Ipojuca, Enio Camilo.

Para concorrer às vagas, os candidatos terão que enfrentar a alta concorrência do câmpus de Ipojuca, que já chegou a 22 candidatos por vaga nos últimos vestibulares. Além das provas de português e matemática, os alunos fazem teste específico para a área de interesse do curso, como física ou química, por exemplo.

About these ads
, ,

Conecte-se

Assine o nosso feed RSS e perfis sociais. (Subscribe to our RSS feed and social profiles.)

17 Comentários em “Seja um projetista de navio”

  1. pefro santanna Says:

    paulino eu vo se o o nos vamos viajar muito to temtamdo descobrir pra navil e barcos
    a nos vamos ficar rico me aguarde vc nao acredita em mim vc vai veeer

    Resposta

  2. ireme darc santander Says:

    paulino to tentando aprender pra trabalhar com vcs

    Resposta

  3. vanessa da silva vasconcelos Says:

    Queria muito ,saber mais sobre esse curso, se alguem pode me informar eu agradeço miuto.

    Resposta

  4. alvaro Says:

    projeto navios de passageiro estilo começo seculo 20 tenho 10 anos queria que alguma empesa de navios construisse um que eu fizesse

    Resposta

  5. Alexsander Says:

    desenhista naval sempre foi o meu sonho mais devido a fiz financeiro nunca pudi completa meu sonho mais com a parceria da prominp eu posso volta a sonha.

    Resposta

  6. Arthur Roberto Benfica Neto Says:

    Olá sou desenhista projetista, 2D e 3D como faço para concorrer com essas vagas, gostaria muito de ser projetista naval..

    Resposta

  7. Raynander Bruno lima Borges Says:

    EU GOSTARIA DE SER UM DESENHISTA PROJETISTA INDUSTRIAL NAVAL MAS COM FAÇO PORQUE ESTOU ESTUDANDO AINDA CURSANDO 8- SERIE E MORO NA BAHIA EM SÃO SEBASTIÃO DO PASSÉ – REGIÃO METROPOLITANA ..

    Resposta

  8. Wilson W. Marques Says:

    sou desenhista projetista a 13 anos, sempre trabalhei com caldeiras a vapor, geradora de energia, mas nos 2 ulrimos anos, trabalhei com equipamentos da petrobras, na empresa NG metalurgica, tive alguns trabalhos com estrutura metálica, e gostaria de trabalhar na área naval.

    Resposta

  9. GENILSON JOSE DE AQUINO Says:

    EU QUERO QUER VOCE NANDE A RENPOSTA PELO O MEU MAIL

    Resposta

  10. GENILSON JOSE DE AQUINO Says:

    QUERO TRABALHAR NESSA ENPRESA .

    Resposta

  11. GENILSON JOSE DE AQUINO Says:

    EU TENHO UM CURSO DE AUTOCAD TENHO EXPRERIENCIAS, EM DESENHO INDUTRIAL E MECANICAPOR SEIS MES

    Resposta

  12. luciano lordsleem Says:

    Adorei esta oportunidade e me interessei pelo curso de muita importancia para min assim q li, já entrei em contato com o senai do cabo para poder garantir minha vaga.

    Espero ter sucesso.

    Desde já agradeço !

    Resposta

  13. SGT ADEGILSON Says:

    queria informações a respeito da abertura do citado curso data de início

    Resposta

Comente agora!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 5.936 outros seguidores