Ceplan faz projeções para o Estado

Grandes empreendimentos em implantação no Estado foram os principais responsáveis pela expansão do PIB pernambucano


P
ernambuco conseguiu passar pela a crise econômica global com desempenho melhor que o do Brasil. Enquanto o País deve fechar 2009 com crescimento do PIB pouco acima de zero, a expectativa é que o Estado encerre o exercício ostentando uma taxa de 6%.

Os grandes empreendimentos em implantação no Estado foram os principais responsáveis pela expansão do PIB pernambucano.

“Além de contar com os benefícios comuns a todos os estados brasileiros, a exemplo da queda na taxa de juros, ampliação da oferta de crédito pelos bancos públicos e estímulo ao consumo fomentado pela a redução do IPI para bens de consumo duráveis, Pernambuco contou com a continuidade de grandes obras em andamento, a exemplo do 
estaleiro Atlântico Sul, da Petroquímica Suape e da Refinaria Abreu e Lima, além de importantes intervenções do PAC, como Transposição do Rio São Francisco, BR-101 e Transnordestina.

Essas constatações foram apresentadas, ontem, pelo economista e sócio da Ceplan Consultoria, Jorge Jatobá, que ministrou no restaurante La Cuisine do JCPM, no Pina, a palestra Impactos regionais da crise: trajetórias e perspectivas. A apresentação trouxe um panorama completo da crise no cenário internacional, brasileiro, regional e em Pernambuco.

Apesar do bom desempenho pernambucano, uma das preocupações dos economistas é com a internalização dos benefícios que os grandes empreendimentos vão trazer para o Estado.

“Para desfrutar bem desse bom momento é preciso que a população pernambucana ocupe os postos de trabalho e que as empresas locais vendam para as companhias que estão chegando”, alerta Jatobá.

Uma das principais deficiências de Pernambuco é a qualificação da mão de obra. “A demanda existe, mas nem sempre as empresas conseguem trabalhadores com o perfil educacional e profissional de que necessitam”, completa.

Durante o evento, a consultoria também anunciou que vai divulgar trimestralmente o trabalho batizado de Análises Ceplan, com informações econômicas sobre setores diversos. A primeira está prevista para abril de 2010. (Jornal do Commercio/PE)

Codecipe lança site oficial

Vai ficar mais fácil acompanhar a situação dos municípios do estado, sobretudo em dias complicados, como os chuvosos. A Coordenadoria de Defesa Civil de Pernambuco (Codecipe) está lançando seu site para facilitar a agilizar essa comunicação. O endereço é www.defesacivil.pe.gov.br.
Na página, é possível verificar a situação das cidades, ver notícias das principais ocorrências do dia, ter acesso ao boletim diário, saber sobre as atribuições de cada parte desse sistema e muito mais. (Pernambuco.com)

Fábricas normalizam estoques

SÃO PAULO (Folhapress) – A indústria brasileira chega ao fim do ano com estoques equilibrados para o atual nível de demanda. A conclusão está na última sondagem industrial da FGV (Fun-dação Getulio Vargas). O levantamento de novembro mostra que 92% da indústria considera que o atual nível de estocagem está normal. Em agosto, esse percentual era de 88%.

Segundo Aloisio Campelo, coordenador de sondagem conjuntural da FGV, a crise afetou de forma desigual a indústria. O setor de bens de consumo, incentivado pelo corte de IPI, chegou a outubro com um preocupante alerta. Naquele mês, 9,1% das indústrias que responderam à sondagem diziam que os estoques estavam em níveis insuficientes.

Em novembro, aponta a FGV, apenas 2,8% dos entrevistados diziam que os estoques estavam abaixo do normal. Para o coordenador da sondagem, os consumidores anteciparam a demanda em razão do corte de IPI. Com um pequeno esfriamento das compras, a indústria teve fôlego para recompor os estoques, afastando qualquer problema de abastecimento para o Natal.

O setor de bens de capital foi o último a normalizar o nível de estoques. Agora, há uma situação equilibrada em todos os setores industriais, o que demonstra um crescimento mais homogêneo’’, diz.

Já de acordo com a pesquisa sobre a produção da indústria, divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os resultados de outubro “confirmam a recuperação do setor industrial, com a décima taxa positiva consecutiva ante mês anterior”. Houve expansão de 2,2% na produção em outubro ante setembro. (Folha de Pernambuco)