Áustria prospecta negócios em Suape

No último dia 17, o Porto de Suape foi visitado pelo vice-embaixador da Áustria, Alexander Springer, que esteve no País acompanhado de uma missão econômica que pretendia verificar a possibilidade de investimentos com companhias brasileiras e austríacas.
 
Springer foi recepcionado pelo diretor do Projeto Suape Global, Sílvio Leimig, e pelo vice-presidente do porto, Sidnei Aires, os quais confirmaram que ele havia ficado impressionado com as instalações do complexo pernambucano, definindo-as como “quase sem igual na América do Sul”.
 

O vice-embaixador estava acompanhado do cônsul comercial austríaco Ingomar Lochsmidth e admitiu que veio em busca de possibilidades de investimentos com empresas de ambos os países, tencionando descentralizar o foco de investimentos no eixo sul do Brasil. (Revista Conexão Marítima, publicado dia 19.11.09, às 9:26 // EAS NEWS // Foto: Salszburg, Áustria)

Odebrecht anuncia obras no trecho Salgueiro-Suape

Diretor da construtora diz que em dezembro começa a implantar cinco canteiros para dar início às obras do trecho da Transnordestina que vai ligar a cidade de Salgueiro ao Porto de Suape

A Construtora Norberto Odebrecht vai implantar, a partir de dezembro, cinco canteiros de obras nos municípios de Salgueiro, Serra Talhada, Cachoeirinha, Escada, Arcoverde para iniciar as obras do trecho Salgueiro-Suape da Ferrovia Transnordestina, que terá 1.728 quilômetros, ligando a cidade de Eliseu Martins, no Piauí, aos portos de Pecém e Suape. O trecho Salgueiro-Suape tem uma extensão de 522 quilômetros e um custo de R$ 1,7 bilhão. As informações foram dadas pelo diretor do contrato da Transnordestina na Odebrecht, Pedro Leão, durante a reunião do Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico e Social de Pernambuco (Cedes), que ocorreu ontem à tarde no Palácio Campo das Princesas.

A Odebrecht foi contratada para fazer 1.100 quilômetros da ferrovia, que vão ligar Suape a Eliseu Martins. A construtora vai fazer as capacitações dentro Programa Acreditar, desenvolvido pela empresa para capacitar mão de obra em parceria com outras instituições, como o Estado e municípios.

No caso das obras da Transnordestina, a intenção é usar o cadastro do programa Bolsa Família para que os beneficiários façam uma capacitação e depois sejam contratados para fazer as obras. Segundo Leão, os técnicos da empresa começaram a visitar os municípios para ver o potencial de mão de obra nesses locais.

O pico das obras do trecho que será construído pela Odebrecht deve ocorrer entre junho e agosto do próximo ano, quando deverão estar trabalhando cerca de 7.000 pessoas, de acordo com Leão.
A ligação entre Eliseu Martins e Suape deverá ser concluído em 2012, de acordo com Leão. Ele acrescentou também que a empresa já contratou 200 pessoas, que começaram a fazer os desmatamentos.


As obras da ferrovia Transnordestina foram iniciadas em 2006 no trecho Salgueiro-Missão Velha, que tem cerca de 100 quilômetros de extensão e ainda não foi concluído. A obra inteira tem um orçamento de R$ 5,4 bilhões e grande parte dos recursos sairá do governo federal.
A empresa responsável pelo empreendimento é a Transnordestina Logística, que substituiu a antiga Companhia Ferroviária do Nordeste (CFN).(Jornal do Commercio)

Porto do Recife terá o perfil reformulado

Sileno Guedes assume o comando da empresa com a tarefa de acelerar os projetos de revitalização da área portuária e do terminal de passageiros, que juntos vão dar um caráter mais turístico ao porto

Sileno Guedes, ex-superintendente do Metrô do Recife (Metrorec) e até então secretário de Relações Institucionais do governo do Estado, é o novo presidente do Porto do Recife. Seu nome foi anunciado ontem pelo governador Eduardo Campos. Seu maior desafio será acelerar os projetos que dão ao Porto um caráter mais turístico. Encabeçam a lista a melhoria nos acessos viários, o Terminal Marítimo de Passageiros, orçado em R$ 11,5 milhões, e a revitalização da área não-operacional. Esse último está emperrado na Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) há dois anos e prevê a ocupação dos armazéns pela iniciativa privada, que transformaria as estruturas em hotéis, shopping, salas comerciais para locação e um centro de convenções.

Há 15 dias, o grupo de trabalho criado com o objetivo de propor soluções para o Porto do Recife realizou uma apresentação ao núcleo de gestão do governo que deixou evidente a necessidade de melhorar a infraestrutura para recepção de turistas. Tarefa que ficou a desejar na gestão do ex-presidente Alexandre Catão. Apesar de ter concretizado a dragagem, obra de cerca de R$ 26 milhões, Catão não atingiu essas outras metas, como frisou ontem o secretário de Desenvolvimento Econômico, Fernando Bezerra Coelho.

“Algumas coisas não estavam andando. Queríamos tudo pronto até o final de 2010. Era uma meta estratégica do governo. O governador veio cobrar a mim e minha sugestão foi a de mudar a gestão”, acrescentou Bezerra Coelho. “A vocação do porto é ser complementar à Suape, turístico e integrador na atividade econômica. O porto vive um novo momento. Em um novo tempo, novos jogadores entram no time. Nós agradecemos aos que jogaram”, disse o governador.

Com a saída da Bunge em junho deste ano, o volume de cargas do Porto do Recife foi reduzido, pois a chegada de trigo para a empresa representava 25% do total. E os embarques internacionais de açúcar, principal produto movimentado no porto, estão ameaçados pelo projeto do Terminal Açucareiro que a holding inglesa ED&F Man pretende instalar no Estado. As negociações estão avançadas para construção da estrutura no Complexo Industrial Portuário de Suape. Somados ao anúncio do Recife como uma das subsedes da Copa do Mundo de 2014, esses fatos reforçam a urgência de preparar o porto da capital pernambucana para se tornar essencialmente turístico.
Para tanto, é importante a articulação com vários órgãos envolvidos na revitalização do porto. Ontem, o governador disse mais de uma vez que Guedes era o mais indicado para desempenhar esse papel. O novo presidente recebeu a notícia às 23h da última quarta-feira. “Será um desafio. Precisamos destravar todos os empecilhos”, declarou. Logo depois do anúncio oficial, se reuniu com Alexandre Catão. Para substituir Sileno Guedes à frente da secretaria de Relações Institucionais, Eduardo Campos designou Ranilson Ramos, que até ontem era presidente da Agência de Regulação de Pernambuco (Arpe). Para o seu lugar, assume interinamente o diretor administrativo da autarquia, Ivan Rodrigues.(Jornal do Commercio)

Pernambuco inicia a implantação das redes de inovação

O governo do Estado dá os primeiros passos para criar Redes para Inovação em Pernambuco (Ripe). A parte conceitual dessa rede foi elaborada pelo economista Abraham Sicsu, da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), e pelo cientista-chefe do Centro de Estudos Avançados do Recife (Cesar), Sílvio Meira.

A dupla deverá apresentar ao governador Eduardo Campos (PSB) dez lógicas produtivas (conceito que inclui o setor produtivo e outras variáveis que influenciam naquele negócio) que precisam de inovação para se consolidar, vender mais e vender melhor.

A intenção deles é apresentar ao governador Eduardo Campos (PSB) as dez lógicas produtivas em fevereiro próximo para que o governo do Estado escolha quais serão as primeiras adotadas na sua rede de inovação. Depois disso, serão lançados editais com recursos para resolver os gargalos e tornar esses setores mais inovadores. Os recursos virão dos mecanismos existentes no governo federal que financiam a inovação, do governo do Estado e também da iniciativa privada. (Jornal do Commercio)

BID financia US$ 3 bi para pequenas e médias empresas brasileiras

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) aprovou nesta quinta-feira uma linha de crédito de US$ 3 bilhões voltada ao financiamento das micro, pequenas e médias empresas brasileiras. A iniciativa objetiva contribuir na expansão e modernização dos pequenos e médios negócios.A assistência do BID incluirá fundos de contrapartida do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Brasileiro (BNDES), também no valor de US$ 3 bilhões.

Segundo o BID, a meta é assegurar um fluxo estável de recursos de médio e longo prazo para financiar projetos de investimento de micro, pequenas e médias empresas, responsáveis pela geração de dois a cada três empregos no País. “Os fundos proporcionarão liquidez para que as instituições financeiras ofereçam crédito para essas empresas expandirem, modernizarem e diversificarem sua produção”, diz a nota.

A liberação da primeira de uma série de três parcelas dessa linha, no valor de US$ 1 bilhão, foi aprovada pela diretoria executiva da instituição hoje. Os empréstimos terão prazo de pagamento de 20 anos e carência de quatro anos. Microempresas, microempresários e indivíduos poderão receber até US$ 200 mil de financiamento do programa. Pequenas e médias empresas poderão obter, respectivamente, até US$ 850 mil e US$ 3 milhões.

O programa anunciado hoje pelo BID dá continuidade a uma linha de crédito similar aprovada em 2004 pela instituição. (Último Segundo – Economia)

Santander lança portal de empreendedor

Com videochats, cursos e orientação, instituição quer se aproximar do empresário iniciante.

Santander Brasil acaba de criar o Portal Santander Empreendedor, um espaço destinado a orientação de empreendedores, com notícias sobre economia, fóruns de “perguntas e respostas”, videochats e cursos pela web.

“Estudando os empreendedores, percebemos que todo o insucesso dos mesmos fora creditado a falta de orientação e treinamento. A partir daí entramos para apoiar o crescimento sustentável dos profissionais”, afirma o superintendente executivo do Segmento de Pequenas e Médias Empresas Claudio Yutaka.

Yutaka ressalta a real importância do portal. Segundo o executivo, esses empreendedores irão gerar riquezas em suas  cidades, contribuindo para o crescimento sustentável do país.

Plano de negócio
Por meio da ferramenta Netcursos, os profissionais terão auxilio de treinamentos desenvolvidos internamente pelo Santander, além de uma avaliação do plano de negócio criado pelo usuário.

Com a internet, Yutaka diz que pode conseguir um alcance maior. “Além da agilidade e da velocidade para atender o empreendedor, coletamos informações e aprimoramos o contato com os clientes.”

O Santander Brasil trabalha em conjunto com instituições como Sebrae, Instituto Endeavor, Universia, Associação Comercial de São Paulo, Insper, FGV – EAESP e Crivo. Além do portal, também são oferecidos ao cliente softwares de gestão de caixa e projetos de renovação do parque tecnológico das empresas. (IDG NOW!)

Indústria química fará inventário de emissões de gases

SÃO PAULO – A menos de um mês para a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, em dezembro, em Copenhague (Dinamarca), o aquecimento global e a redução de emissões de gases poluentes na atmosfera entraram na pauta das indústrias químicas.

Hoje, a Associação Brasíleira da Indústria Química (Abiquim) divulgou documento que pretende enviar ao governo federal para ser levado à reunião em Copenhague. De acordo com o presidente da associação, Nelson Reis, o evento da ONU não é o único objetivo do documento: ” Queremos mostrar a nossa posição para a sociedade. “

Segundo Reis, não há ranking para medir que tipo de indústria polui mais. ” A indústria, em geral, é responsável por 8% das emissões. Estimamos que a indústria química emita aproximadamente 2% deste total, mas é impossível precisar quem polui mais ou quem polui menos pois os estudos sobre o tema são inexistentes ” , afirmou.

No documento, a Abiquim – que agrega 85% das indústrias químicas do país – alerta para a importância do desenvolvimento de novas tecnologias cujo objetivo seja reduzir e até reverter o crescimento das emissões de gases de efeito estufa.

” Acreditamos que esta não deva ser uma obrigação brasileira e, sim, de todos os países, que exista a cooperação global ” , explicou o gerente de assuntos técnicos regulatórios da Abiquim, Marcelo Kos. ” O Banco Mundial poderia fomentar estas novas tecnologias, criando uma linha de crédito especial para todos aqueles que queiram desenvolvê-las ” , ressaltou.

Ainda segundo o texto, as empresas associadas conseguiram reduzir as emissões de poluentes em 32% entre os anos de 2003 a 2008. ” É difícil propormos uma meta pois já reduzimos muito. Mas se conseguirmos que as emissões diminuam em 5% nos próximos dez anos já é muito bom ” , informou Kos.

No documento, a Abiquim se compromete a disponibilizar para a sociedade um inventário das emissões de gases estufa das indústrias químicas associadas.(Valor Econômico)